Topo
Bala na Cesta

Bala na Cesta

Presidente da CBB, Carlos Nunes abre o jogo sobre finanças da entidade

Fábio Balassiano

08/03/2016 05h10

nunes1"Vamos falar, Carlos Nunes?". Foi assim que abordei o Presidente da Confederação Brasileira de Basketball em Bauru, na fase semifinal da Liga das Américas, quando ele estava sentado ao lado de Gerasime Bozikis, ex-presidente da CBB.

Mandatário da entidade desde 2009, Nunes é o responsável por uma CBB que devia, até o final de 2014, mais de R$ 13 milhões, que é processada pela antiga patrocinadora estatal (Eletrobrás) e que viveu o recente caos com a seleção feminina, quando os clubes e as atletas decidiram boicotar a convocação por não concordar com as diretrizes apresentadas.

Como é o costume deste blog, perguntei tudo o que poderia perguntar a Nunes e reproduzo o conteúdo completo a seguir. Completo é completo mesmo (quase não houve edição). Ele respondeu a tudo. Quase tudo. Hoje falamos sobre a parte financeira e estratégica da Confederação. Amanhã, a parte técnica.

nunes2BALA NA CESTA: Bom, vamos lá. Você está na CBB desde 2009 e queria que você fizesse uma avaliação da sua gestão à frente da Confederação Brasileira de Basketball.
CARLOS NUNES: Olha, dentro das dificuldades que foram criadas, principalmente no que tange a patrocínios, acho até que faço uma administração razoável. De razoável para boa. Tivemos classificações olímpicas, subimos no ranking da FIBA, temos uma equipe principal masculina com nomes que podem nos ajudar a chegar ao pódio olímpico e contratamos um técnico para a equipe dos rapazes de renome internacional.

cbb8BNC: Você fala muito sobre essa questão de patrocínio, eu o vejo contando isso pra muitos membros da imprensa inclusive, mas você sabe que eu não concordo com isso de maneira nenhuma. Todos os anos fazemos a análise do Balanço Financeiro da CBB, e a entidade tem uma grana bem boa para investir.
NUNES: De quê?

nunes8BNC: De quê? Vocês têm grana de televisão, da Nike, do Bradesco, do Ministério do Esporte. Desde que o senhor assumiu a receita saltou de R$ 15,8 milhões em 2009 para R$ 24,3mi em 2014. De 2013 para 2014 a queda foi de R$ 3,2 milhões, é verdade, a falta de patrocínio influencia, sim, mas dizer que a Confederação não tem dinheiro não é uma verdade ao meu ver. É isso que digo.
NUNES: Olha, Bradesco que você cita é verba incentivada.

nunes7BNC: Mas é dinheiro, né? Ou não?
NUNES: É, é dinheiro, eu sei, mas a gente fica com esse dinheiro fazendo campeonato de base.

BNC: Que campeonato de base?
NUNES: Os que sempre tivemos.

BNC: Não, não mesmo. Não temos mais campeonato Sub-19, não fizemos campeonato Sub-14, não temos sequer o Sub-21, que hoje está com a Liga Nacional (a LDB). Eu pesquisei antes de vir pra cá. Em 2015, assim como em 2014 e 2013, tivemos apenas Sub-15 e Sub-17. São três divisões em cada, seis torneios em 12 meses para rapazes e seis para as meninas. A verba é toda consumida em 12 torneios?
NUNES: Então, não temos mais Sub-19 porque o dinheiro não nos permite fazer. Os valores subiram, e a verba de patrocínio não nos permitiu fazer o investimento.

cbb10BNC: Mas como que você explica que a dívida sempre crescer. A dívida da CBB superou os R$ 13 milhões em 2014 e sabe lá o que veremos no balanço de 2015. Os custos fixos da Confederação superam R$ 1 mi/mês. Para uma entidade com uma dívida crescente, o senhor não acha que este número, que cresceu R$ 3,3 milhões de 2013 para 2014, é muito alto?
NUNES: Não, não. Isso aí quem poderia te dar uma explicação melhor é a nossa Auditoria que mexe nos nossos balanços, nosso financeiro também. Mas não acho alto pelo que fazemos, não. E outra coisa: acho que esse ano nossa dívida de fechamento de 2015 vai diminuir.

nunes4BNC: Presidente, na última vez que falamos você disse isso, e no Balanço de 2014 a dívida foi maior. Desculpe…
NUNES: É, tudo bem, vamos ver, vamos ver. Você veja. Nós temos essa pendência que a Eletrobrás nos deixou (a Estatal move um processo contra a CBB). Se nós tivéssemos a receita deste patrocinador estaríamos tranquilos.

BNC: Você reclama muito da falta de patrocínio, eu acho que você tem uma certa razão quando fala que a ausência deste valor faz com que os investimentos sejam menores, mas vou insistir neste ponto: os vencimentos da Confederação são altíssimos. Não estamos falando de uma entidade que recebia R$ 25 milhões e passou a receber 2, 3. O que entra para a CBB não é pouca grana. E outra coisa: qual o motivo da CBB não conseguir patrocínio com empresas privadas? Quantas já foram procuradas?
NUNES: Tentamos, tentamos sempre. E a gente não consegue. As empresas alegam que não têm dinheiro e que a exposição da seleção brasileira é muito pequena, pois a seleção se junta em julho e deixa de estar atuando em setembro. Isso, para os patrocinadores, é muito pouco. Mas não desistimos, não.

amarildo2BNC: Em 2017 haverá eleição na CBB. Você não pode, de acordo com o estatuto da Confederação e do Ministério do Esporte, se reeleger.
NUNES: Não. Pelo Estatuto do Ministério do Esporte eu posso. Pelo da CBB que não. Vou respeitar o estatuto da CBB.

BNC: E quem você imagina que possa te suceder? O Grego pode voltar?
NUNES: Não, não. O Grego me disse que não quer. Não sei quem é que tem, sinceramente. Sei que o presidente da Federação do Paraná, o Amarildo Rosa (foto à esquerda), está fazendo uma campanha. É muito cedo ainda.

nunes6BNC: Mas como você vê o seguinte: por pior que tenha sido a administração do Grego, e eu sempre digo isso pessoalmente a ele (Nota do Editor: neste momento Grego, ao lado, balança a cabeça), ele deixou dinheiro em caixa quando você assumiu. Em 2017, o próximo presidente da CBB vai herdar de você uma dívida assustadora. Isso não lhe preocupa?
NUNES: O Grego tinha um patrocínio. Eu, não. Mas acho que não. Iremos reverter isso a tempo da eleição, tenho fé nisso e estamos trabalhando para resolver essa situação até março de 2017.

nunes1BNC: Presidente, ninguém no Brasil atual consegue reverter R$ 13 milhões de dívida em tão pouco tempo…
NUNES: Mas não sei se são R$ 13 milhões. É você que está dizendo

BNC: É o que está no Balanço Financeiro, presidente. Então vamos lá: diga-me de quanto é a dívida da CBB ao final de 2015 então.
NUNES: Não sei, não sei. Preciso esperar o fechamento de 2015 para te falar.

nunes3BNC: Então falemos de desenvolvimento, que é um dos principais motivos da Confederação existir. Como você avalia este trabalho, no tocante a massificação do basquete, por parte da CBB?
NUNES: Nós fazemos um bom trabalho, mas não é o que se desejaria. Nós fazemos muito bem estes campeonatos de base Sub-15 e Sub-17. Estes torneios são um espetáculo. As três divisões. A gente reúne nestes eventos mais de 2 mil atletas. Se você fosse nestes campeonatos veria a grandiosidade do trabalho e a maravilha que é. Reunimos técnicos, fazemos clínicas técnicas, de arbitragens, as Federações participam. O trabalho está sendo feito, mas as Federações acabam não fazendo mais porque também têm a necessidade de um patrocínio. Além disso, é preciso dizer: a CBB atualmente não tem conseguido ajudar às Federações também com uma verba mensal. Outra coisa: fizemos o 3X3 em todo Brasil. Estamos muito bem nos dois rankings e fomos homenageados no Qatar sobre nosso bom trabalho nesta modalidade.

lbf1BNC: Entendo o que você fala sobre os brasileiros de base. Isso é muito bom, mas não são times. São Federações estaduais que formam uma equipe. E por quê digo isso? Porque você olha a LBF e temos seis times. No NBB, 16 e na Liga Ouro, 4. Ou seja: o universo de times brasileiros de basquete é ínfimo, pequeno, muito abaixo do que um país desse tamanho poderia ter. Não temos tantos times assim, não?
NUNES: Mas aí é uma questão da Liga Nacional de Basquete e da Liga de Basquete Feminino. Mas por quê isso acontece? Porque os clubes não têm condições. Não há condições de arcar. E olha o trabalho que a LNB faz. A LNB faz um trabalho muito bom, muito bom mesmo. A Liga está fechando alguns patrocínios, e quando concretizar vai melhorar ainda mais.

eletro1BNC: Pra fechar, há algumas coisas importantes para falar. A Eletrobras está processando a Confederação Brasileira por, segundo a estatal, mau uso da verba pública. Explica um pouquinho como está essa situação exatamente o que aconteceu.
NUNES: Olha, bom você tocar nesse assunto. Eu gostaria que o dia que você pudesse você fosse lá na CBB para falar sobre isso.

nunes3BNC: Presidente, por favor, vamos voltar aqui. Não posso nem entrar na CBB, você sabe disso. O técnico não fala comigo, o Diretor Técnico também, a Assessoria não responde. Vamos parar com isso e retornar aqui, por favor.
NUNES: Mas é só você ser um pouco menos duro para falar as coisas. Se você tiver esse conhecimento que estou lhe falando pra ter, com acesso à CBB, irá ver que as coisas não são assim como você escreve.

nunes3BNC: Vai me desculpar, mas não dá pra ser menos duro. Aprendi a fazer jornalismo assim e é assim que o farei. Me desculpe. Sou assim com Confederação, Liga Nacional, Ministério, o senhor sabe disso. Quando merece crítica, eu critico. Não mudo meu estilo nem em casa. E se há o quepassar, é só me passar as coisas. Vamos voltar à questão da Eletrobrás.
NUNES: Sim, sim, vamos retomar aqui. A Eletrobrás tinha que nos repassar um dinheiro. Dos R$ 21 milhões que ela tinha que nos repassar ela nos repassou apenas R$ 4,8mi. A renovação era anual, e temos um documento em que a Eletrobrás se comprometia a renovar. Então destes R$ 4,8mi tivemos que usar para algumas coisas que a Eletrobrás não concordou. Daí o problema. Mas que fique claro: foi tudo usado dentro das seleções. Nada fora da normalidade. E mesmo assim a Estatal glosou. Está tudo lá. Documentos, prestação de contas, tudo direitinho. Eles não aceitaram isso e estamos na Justiça. A Justiça informou, em primeira instância, que temos que discutir o assunto. O tema será julgado, e será provado que o dinheiro foi usado apenas pela seleção.

nunes3BNC: E aí, pelo que você está dizendo, a Eletrobrás teria que pagar a diferença entre o que fora acordado, os R$ 21mi, e os R$ 4,8mi já pagos? A CBB ainda teria a receber R$ 16,2 milhões da Eletrobrás?
NUNES: Nós estamos reivindicando a renovação do contrato que não aconteceu. Isso dá, ao todo, R$ 21 milhões, com o desconto do que já foi pago mesmo. Tem que fazer as contas direitinho, mas acho que é isso aí mesmo (que você cita). Há outra coisa importante. Não me lembro exatamente o ano, mas a presidente Dilma Roussef chamou as Confederações em Brasília e disse que todas as Confederações teriam um patrocínio de uma estatal. Qual foi a única que não recebeu? Nós, da CBB.

nunes2BNC: Aí eu vou lhe fazer uma provocação. Não é uma afirmação, mas sim uma provocação. Será que a CBB não foi a única Confederação que não tem uma estatal por causa dos problemas que houve na relação com a Eletrobrás, causando uma espécie de medo nas demais estatais que poderiam investir na entidade?
NUNES: Não, não. Mas isso foi antes.

BNC: Não, Presidente. A Eletrobrás reclama de coisas de 2010, 2011 da CBB.
NUNES: Por isso que te digo: você tem que ir lá na CBB ver isso com a gente. Vou te chamar, vou te chamar.

nunes1BNC: Outra coisa: houve uma série de reportagens no UOL, do jornalista Lucio de Castro, em que ele aponta uma série de irregularidades gravíssimos sobre mau uso da verba da CBB, inclusive com jantares e viagens com a sua esposa…
NUNES: Isso eu não vou falar. Isso está com a Justiça. Só isso. Não posso falar.

BNC: Você falou sobre a falta de grana da CBB. Uma das grandes críticas que se faz à Confederação é a ausência de uma área de marketing mais atuante, mais forte. Marketing, no final das contas, é gerar receita, você sabe disso, e hoje em dia a CBB vive apenas de uma linha de receita que é a de patrocínio. Não falta um departamento de marketing mais pesado para alinhavar, por exemplo, venda de camisas, criação de ações promocionais etc. ?
NUNES: Concordo inteiramente com isso. Nisso concordamos inteiramente. Sobre as camisas, a Nike não tem a produção no Brasil. A gente vai lá, encomenda, mas não tem braço para distribuição aqui. Mas as dificuldades do país hoje em dia fazem com que essa parte de geração de receitas torne ainda mais complicado o nosso trabalho.

nunes3BNC: Presidente, você fala muito sobre dificuldade financeira, dificuldade de patrocínio, dificuldade disso, dificuldade daquilo. Sempre colocar essa palavrinha não é muito cômodo para a CBB? Como se sai dessa crise? Existe algum plano por parte da Confederação?
NUNES: Trabalho, trabalho e trabalho. Estamos lutando para reverter isso. Falamos da dificuldade porque existe mesmo essa defasagem de dinheiro em relação aos últimos anos. Não dá pra fugir disso. Agora, não podemos desistir. Continuamos trabalhando. A CBB continua fazendo seus campeonatos, atendendo às seleções. Queremos ir além. É o que mais queremos.

Continua amanhã

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.