Topo
Bala na Cesta

Bala na Cesta

"É claro que fui melhor que o Manu Ginóbili", diz Oscar Schmidt em entrevista

Fábio Balassiano

2023-05-20T19:14:09

23/05/2019 14h09

Divulgação / Sportv

Vai ao ar neste sábado no Sportv às 22h30 no Sporv o programa Grande Círculo, que nesta semana recebeu Oscar Schmidt. Sabatinado pelo apresentador Milton Leite, Luís Roberto, Felipe Andreoli, Everaldo Marques (narrador da ESPN), o irmão Tadeu Schmidt (irmão dele e apresentador do fantástico), Magic Paula e Marcelo Courrege, o ex-jogador falou, como sempre sem papas na língua, sobre sua carreira, os momentos marcantes de sua trajetória, o panorama atual do basquete mundial e a realidade do basquete brasileiro, além da vida pessoal com a luta contra o câncer.

Três trechos que o blog teve acesso em primeira mão chamam atenção desta entrevista. Felipe Andreoli pergunta se Oscar teria se tornado o melhor estrangeiro da NBA caso tivesse aceitado ir para a liga americana na metade da década de 80: "Você está duvidando de mim? Sem dúvida alguma, aonde eu for eu vou jogar bem, meu amigo, você acha que basquete é diferente lá? (risos)", respondeu.

Na sequência, emendando a pergunta de Andreoli, Everaldo Marques questionou Oscar sobre uma grande dúvida que todos ao redor do mundo (sobretudo o latino) do basquete têm. Entre ele e Manu Ginóbili, campeão olímpico pela Argentina em 2004 e 4 vezes campeão pelo San Antonio Spurs na NBA, quem seria melhor. A resposta também veio na lata: "Entre Ginóbili e eu não há dúvida. É claro que fui muito melhor", afirmou o Mão Santa.

Nota do Editor às 15h28: Acabo de receber este e-mail da Assessoria de Imprensa do Sportv afirmando que a declaração dada por Oscar sobre Ginóbili não entrará no programa devido a edição do mesmo.

Divulgação / Sportv

Pouco antes, Marcelo Courrege questionou se Oscar não teria feito ou contribuído pouco para que o basquete brasileiro voltasse a ter o mínimo de administração (sobretudo na Confederação Brasileira): "Vou te responder com uma frase: eu fiz uma liga (NLB, criada em 2005). Eu preciso falar mais alguma coisa? Acho que o meu tumor vem desse período aí (de crise na administração do basquete brasileiro). Eu fiz uma liga de basquete, chamava Nossa Liga e convenci todos os times a participarem da minha liga. Desse ano teve campeão, foi o Limeira, e da CBB não teve campeão. Para você ver como era boa a CBB. Briguei na justiça com todos eles", lembrou.

O programa vai ao ar no sábado no Sportv às 22h30 e terá uma versão reduzida no domingo dentro do Esporte Espetacular na TV Globo.

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.