Bala na Cesta

Técnico Dedé, de Rio Claro, agride torcedor e joga cadeira no público – o que mais falta?

Fábio Balassiano

(E lá vamos nós de novo para um tema chatíssimo)

helinho2Era pra ser uma noite de festa sábado no Pedrocão. Franca venceu Rio Claro por 82-62, fechou a série por 2-1 e se classificou para a semifinal do Campeonato Paulista onde enfrentará o Bauru, que neste domingo foi a São Paulo e bateu o Pinheiros por 95-88. Foi uma prova de força e de evolução de Helinho, em seu primeiro ano como técnico, e de seu grupo. Eles tentam resgatas os melhores dias da história do basquete francano voltando às origens com um basquete aguerrido, coletivo e forte na defesa.

Os problemas aconteceram depois que a peleja terminou. Vamos ao vídeo (dos vários que andam circulando por aí):

As imagens falam por si, mas eu vou colocar neste espaço o que aconteceu:

dede11) Descontrolado, o técnico Dedé (foto), de Rio Claro, discute com meio mundo. Logo depois disso ele sobe para o alambrado, discute mais um pouco e desfere um soco fortíssimo em um torcedor (o de vermelho). Não satisfeito, porque em sua cabeça ainda faltava alguma coisa para acontecer, Dedé pega uma cadeira, olha para a arquibancada e joga no público. Coisa fina, não?

2) Daniel Alemão também discute com torcedores e empurra meio mundo.

3) Gegê, armador recém-chegado ao time, atira algo no público (de longe parece uma toalha).

dede3Não estou aqui para fazer julgamento de ninguém, muito menos de Dedé, técnico promissor mas useiro e vezeiro em lances confusos desde seus tempos de atleta (veja mais aqui). Muita gente me diz que os torcedores francanos xingaram e cuspiram nos jogadores de Rio Claro após a partida. Não estava lá e não tenho ideia disso, mas NADA justifica o que Dedé fez.

Não há absolutamente nada que seja aceitável para um treinador (educador!!!!) fazer o que ele fez. Um cara que deveria prezar pelo espetáculo, pelo desenvolvimento do esporte, dando um soco em um torcedor (consumidor no final das contas) e jogando cadeira em arquibancada é surreal. O que acontecerá com Dedé, Alemão e Gegê? Alguém irá puni-los de forma veemente? Ou darão aquele famoso ''me engana que eu gosto'' de uma multa, dois, três joguinhos e vamos nessa? Aposto nesta opção minimalista (como sempre acontece).

Rioclaro1Pensam que acabou? Não acabou. Escoltado até o hotel, o time de Rio Claro jantou e entrou no ônibus para retornar à cidade. Logo que entrou na rodovia um barulho imenso assustou jogadores, comissão técnica e o motorista.

Todos saíram do ônibus e foram ver o que tinha quebrado parte do vidro da frente (foto à direita). Foi uma placa (também na imagem) atirada de cima do viaduto em direção ao veículo. O animal que fez isso poderia ter matado pessoas, vocês têm noção disso, né? Se placa atinge o lado do motorista, por exemplo, sabe lá o que poderia ter acontecido.

RioClaro2Na cadeira do co-piloto para auxiliar o motorista pois já morou em Franca e conhecia bem o caminho, Leo, assistente-técnico de Rio Claro, foi atingido por estilhaços do vidro e sofreu ferimentos leves (veja foto ao lado).

O ônibus estacionou na polícia rodoviária, uma queixa policial foi feita e o time de Rio Claro só conseguiu chegar à sua cidade porque Franca emprestou novo veículo para que a equipe visitante seguisse a viagem. Este não é um caso de basquete, mas sim criminal. É óbvio, porém, que há relação com a modalidade.

dede2Na boa, não sei nem mais o que escrever (algo que inacreditavelmente só eu tenho feito quando este tipo de bizarrice acontece). Vale lembrar que foi em um Rio Claro x Franca que aconteceu um furto no vestiário visitante (o francano) em jogo recente de playoff do NBB.

Em uma semana tivemos uma briga de ''torcedores'' do Flamengo, um técnico agredindo torcedores e um ônibus de time atacado. Só fico me perguntando o que mais falta acontecer em uma quadra de basquete e quantas pessoas de bem (famílias, principalmente) estão deixando de acompanhar a modalidade devido às confusões em série em que o esporte tem se envolvido de tempos pra cá.

Que momento surrealmente triste vive o basquete brasileiro, hein!