PUBLICIDADE
Topo

O plano deu 'errado' - ao invés da lanterna, Oklahoma disputa vaga nos playoffs da NBA

Fábio Balassiano

07/01/2020 05h45

Quando o Oklahoma City Thunder foi eliminado pelo Portland Trail Blazers nos playoffs ao final da temporada passada a diretoria começou a se movimentar. O ciclo de Russell Westbrook, maior ídolo da história da franquia, estava finalizado e com ele Paul George também não mais ficaria. O objetivo de Sam Presti, o manda-chuva das operações de basquete, era abrir espaço para o novo sem nenhuma dúvida.

Grupo do Bala na Cesta no Telegram. Entra lá pra ficar ligado em tudo sobre basquete

O time trocou Westbrook e George por peças para o elenco, mas sobretudo por picks dos próximos Drafts (são 10 de primeira rodada pelos próximos cinco anos). Como o próprio Presti disse, "o trabalho é de longo prazo, bem longo prazo". Em português claro: reconstrução. Ou perder até dizer chega.

Ninguém esperava nada de diferente de derrotas, derrotas e mais derrotas que colocariam o OKC entre os primeiros do Draft de 2020. Só faltou combinar com Billy Donovan, o técnico, e os atletas.

O Thunder, que ontem foi a Filadélfia e pendeuso do Sixers por 120-113, agora tem a campanha de 20-16 e está na confortável sétima posição da conferência Oeste. Ninguém esperava isso, ninguém mesmo, mas o fato é que o time está dando certíssimo em quadra.

Grande parte do sucesso se deve ao trio de bons armadores que mistura a experiência de Chris Paul (16 pontos e 6 assistências de média), a tenacidade do alemão Dennis Schroder, que vem do banco para somar 18,5 pontos por partida, e a técnica do excepcional jovem, que está em seu segundo ano aliás (21 anos), Shai Gilgeous-Alexander (foto acima), cestinha do time com 20 pontos de média sem forçar absolutamente nada. Além deles se destacam o italiano Danilo Gallinari, autor de 18 pontos por noite, e o excepcional defensor Steven Adams, jovem e quase sempre envolvido em rumores de troca.

O engraçado disso tudo é que o Thunder começou o campeonato perdendo quatro de seus cinco primeiros jogos. Muita gente já torceu o nariz e decretou o final da temporada, pensando já no Draft de 2020. Chris Paul, o experiente da tropa, levantou a voz e disse: "Não sei o que pensam quando dizem que nosso time não vai a lugar algum. Lamento informar, mas podemos ser muito bons já neste campeonato".

Para desespero da diretoria, que tinha outras coisas na cabeça, as vitórias significam descer muito no Draft de 2020. Muita gente aposta, inclusive, no movimento parecido com o do Los Angeles Clippers no último campeonato, quando mesmo em desmonte o time de Doc Rivers conseguia vencer. Resta saber o que Presti fará daqui pra frente. Se manterá o elenco como está, se desmontará para conseguir ainda mais picks de Draft ou se confiará em seus atletas e dará ainda mais reforços para Billy Donovan treinar.

De todo modo, a história do OKC nesta temporada é maravilhosa. O plano de perder deu errado e o grande "risco", agora, é o Thunder jogar o playoff no Oeste.

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.

Bala na Cesta