Topo
Bala na Cesta

Bala na Cesta

Derrick Rose, a ressurreição: armador tem melhor noite da carreira com 50 pontos - veja!

Fábio Balassiano

01/11/2018 06h20

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Minnesota Timberwolves (@timberwolves) em

A quarta-feira do Minnesota Timberwolves começou com Jimmy Butler (que mala!) avisando ao time que não iria jogar contra o Utah Jazz. O motivo: não estava se sentindo bem (sem fazer exame, sem se apresentar, sem dar uma satisfação plausível). O ala, que deseja ser trocado, fez bico mais uma vez, colocou a franquia na berlinda e deixou seus companheiros na mão outra vez. Do outro lado estava o Utah, um dos mais fortes times do Oeste.

E aí Derrick Rose apareceu. Com um severo e triste histórico de lesões, trocado na temporada passada pelo Cleveland Cavs por duas mariolas mordidas, como se não valesse absolutamente nada, com todo mundo brincando sobre suas condições físicas há tempos ("ele é de vidro" é o mais educado que você pode / consegue ler na internet sobre ele…), o MVP mais novo da história da NBA (23 anos em 2011) teve a melhor atuação de sua carreira seis anos depois de ter machucado o joelho com gravidade pela primeira vez no playoff de 2012 contra o Sixers.

Titular no lugar de Jeff Teague, Rose explodiu contra uma das melhores defesas da NBA. Em 41 minutos de uma atuação elétrica, fez 50 pontos (19/31 nos arremessos), distribuiu 6 assistências, apanhou 4 rebotes, teve 2 roubadas de bola e foi fundamental na importante vitória de seu time por 128-125. Com o resultado, o Wolves "zerou" a sua campanha e agora tem 4-4. O Utah, 4-3.

No final da partida, TODOS os atletas do Wolves comemoraram com o jogador de 30 anos, sabedores que são da luta praticamente diária de um cara que dois anos atrás ninguém considerava apto pra jogar basquete, e vários atletas também elogiaram o camisa 25 do Wolves nas redes sociais (Dwyane Wade, o próprio Jimmy Butler, LeBron James, Chris Paul, Steph Curry, Vince Carter etc.). Não custa lembrar que Rose tem um dos salários mais baixos do time (US$ 2,1 milhões).

Bem emocionado, ele foi às lágrimas na quadra e na entrevista coletiva disse: "Não há palavras para expressar o que estou sentindo agora. Ainda não caiu a ficha, e tudo parece muito mágico. Faz tempo que não sentia isso. É um orgulho poder dizer aos meus filhos que consegui ter uma atuação assim novamente", afirmou Rose.

Abaixo os melhores momentos da noite mágica de D-Rose:

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.