PUBLICIDADE
Topo

Capítulo IV, a Rivalidade, por Matheus Silva

Fábio Balassiano

31/05/2018 14h00

* Por Matheus Silva

Pela quarta vez seguida Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors se enfrentarão nas finais da NBA, que começam no dia 31. Muitos já se cansaram da dinastia que os dois times formaram nos últimos anos, mas as finais deste ano podem guardar uma surpresa para os que decidirem assisti-la. O primeiro atrativo da série é LeBron James.

O ala do Cavs vem fazendo uma das melhores temporadas de sua carreira aos 33 anos. Atuando quase todos minutos nesta pós-temporada, LeBron tem uma média de 34 pontos por jogo e carrega seu time em quase todas as partidas, já que seus companheiros não conseguem manter atuações regulares. Outros integrantes do Cavs podem trazer impacto positivo para as finais, o que esperado por todos torcedores. Tristan Thompson é o nome ideal para controlar o garrafão, pegar rebotes e assim possibilitar novas chances de pontuar. JR. Smith, Kyle Korver e Kevin Love são essenciais para as bolas de três, e que são uma boa resposta para o time certeiro do Warriors. Vale lembrar que Kevin Love perdeu o jogo 7 contra o Celtics e pode não retornar no ritmo ideal.

Além de contar com uma noite inspirada de seus atletas, Tyronn Lue, comandante do time, deve exigir uma forte marcação, assim como aconteceu nos últimos dois jogos da série contra o Celtics. Forçar o jogo individual e de isolação de Kevin Durant é ponto chave para pressionar o adversário e obrigar que ele escolha bolas difíceis para arremessar. Além disso, uma marcação diferenciada em Klay Thompson é uma boa saída. Ele não está acostumado a dominar, driblar e abrir espaço para seu chute, e sim a executar o famoso "catch and shoot" (pega e arremessa). Então pressionar e fazer com que ele tenha que sair de sua zona na quadra pode cancelá-lo.

Do outro lado, o Warriors, mesmo sendo o atual campeão da NBA, ainda encontra dificuldades nos Playoffs. Até o intervalo das partidas, o time sempre parece apático, com baixo aproveitamento nos chutes e contando com uma performance razoável de um de seus astros (na maioria das vezes os já citados Kevin Durant e Klay Thompson) para se manter vivo. Mas depois tudo muda, o Warriors acorda e vai atrás da vitória. Até agora este esquema deu certo, mas o Houston Rockets demonstrou a todos com essa ideia é perigosa, pois em certos dias a bola não cai, não importa o quanto você tente.

Steph Curry, a principal estrela do time, é um dos jogadores que melhora seu desempenho do terceiro quarto para frente, porém se tratando de um final de campeonato seria melhor que ele já iniciasse com as "mãos quentes". A volta de Iguodala, que perdeu os dois últimos jogos, ajudaria na defesa do Warriors que em certos momentos entra em pane. Steve Kerr reconhece que seus comandados estão apresentando um basquete inconsistente, principalmente contra os Rockets, e deve tentar impedir um possível desespero do Warriors se o Cavaliers abrir uma vantagem considerável.

Apesar de tudo isso, ainda acredito que o Golden State tem vantagem no confronto, já que claramente tem um elenco mais estável. Para que Cleveland tire o título do time de Oakland, além de contar com atuações espetaculares de LeBron James, deve fazer um jogo perfeito na defesa e no ataque, pois seu adversário é letal. Não acho que possa ocorrer uma varrida, como quase aconteceu na temporada passada, mas pelo o que tudo indica o Golden State Warriors tem tudo para conseguir o título.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.