Bala na Cesta

Estreante na NBA, Teodosic afirma: 'Vim na hora certa e pro time certo'

Fábio Balassiano

19/10/2017 06h30

A temporada do Los Angeles Clippers começa nesta madrugada no clássico local contra o rival Los Angeles Lakers. Depois da Era Chris Paul, a franquia vê um novo armador preparado para guiar o time na NBA. Trata-se do sérvio Milos Teodosic, que aos 30 anos fará a sua estreia na liga norte-americana nesta noite cercado de muita expectativa.

Melhor armador da Europa há anos, Teodosic era cortejado pela NBA fazia tempo, mas só agora fez o “salto” do velho mundo para os Estados Unidos. Já desfilando seu talento na pré-temporada com passes incríveis, Milos conversou com o blog com exclusividade direto de Los Angeles e falou sobre o campeonato, seleção da Sérvia e muito mais.

BALA NA CESTA: Há um ano eu lhe entrevistei e você me disse que jogar na NBA iria acontecer na sua carreira em muito breve. E ocorreu um ano depois. Como foi a tomada de decisão para sair da Europa, onde você é um ídolo e um dos melhores jogadores da atualidade, e ir pra NBA? Como foi, também, o approach do Clippers para com você para fechar a negociação?
MILOS TEODOSIC: Como você disse bem, era meu objetivo jogar na NBA, mas eu sempre quis fazer no momento certo, da melhor maneira possível e indo jogar em um time certo, em um lugar que me sentisse confortável e confiante. Foi assim que optei por jogar no Los Angeles Clippers. Recebi algumas ofertas, algumas delas divulgadas até pela imprensa norte-americana (Nota do Editor: ele se refere a do Chicago Bulls, muito noticiada pela mídia dos EUA), mas estou seguro que fiz a melhor opção. O que mais pesou para que optasse pela franquia foi a chance de ter bons minutos e um time competitivo para ganhar muitos jogos. Estamos todos muito animados para essa temporada. Vamos jogar bem, nos divertir muito e quem sabe irmos longe também nos playoffs.

BNC: Na Europa você, como disse acima, é um armador reconhecido, craque, dono dos times em que jogou. Está preparado pra ser testado, provado, analisado como se fosse um calouro na NBA, onde jogos e exigências são completamente diferentes?
MILOS: Estou preparado não pelas minhas qualidades apenas, mas porque tive todo suporte da franquia, dos meus companheiros, da comissão técnica e dos fãs. Não há dúvida que são dois jogos completamente diferentes, o da Europa com o qual estava acostumado, e o da NBA que passarei a ser testado a partir de agora. Estou preparado para o desafio e para tentar dar mais um passo em minha carreira. O esporte é o mesmo. Mas muda a forma como é encarado, a exigência física, o número de jogos e sem dúvida também a dificuldade que é imposta por uma temporada de 82 jogos e com tantos craques divididos em tantos times sensacionais. E eu estou jogando no Oeste, você pode imaginar o que é isso, né?

BNC: Sei que foram poucos dias de treinos e também poucos jogos de pré-temporada, mas quais você detectou que são as principais diferenças entre o jogo europeu e o da NBA? No que você vai ter que se adaptar mais rápido para se tornar o grande jogador que sabemos que é no Clippers? Houve algum tipo de preparação especial para compreender isso, conversando com os atletas ou vendo jogos, por exemplo?
MILOS: Adoraria te responder a estes questionamentos, mas eu não tive tanto tempo assim para desenvolver essas respostas (risos). É pouco tempo, muito pouco tempo mesmo. O tempo se encarregará de dizer exatamente como eu vou me adaptar e performar aqui na NBA. Mas posso te dizer que não tive nenhuma preparação diferente da que tinha na Europa. Tenho meu preparador físico, minha equipe, nada mudou em relação a isso. O apoio do time é o principal que tenho tido nestes primeiros momentos e isso realmente tem sido fantástico. Pode ter certeza que a única coisa que terei que me adaptar muito rápido é a lançar a bola mais alto, porque o que DeAndre Jordan e Blake Griffin saltam é um verdadeiro absurdo, surpreendente demais. Ver de perto é algo de outro planeta. Se duvidar eu jogo a bola no teto do ginásio eles vão lá e pegam pra enterrar (risos).

BNC: Você acha que a sua qualidade de passe, que é incrível, será ainda mais potencializada jogando em um basquete mais veloz, de quadra aberta, e também tendo ao lado atletas com um potencial físico incrível, como são DeAndre Jordan e Blake Griffin? Por outro lado, seus defensores serão também mais atléticos, como Russell Westbrook, John Wall, entre outros. Isso não é tão visto na Europa…
MILOS: Veremos exatamente quando a temporada começar, mas em relação a potencializar a qualidade dos armadores jogando no Clippers não há a menor dúvida. Quem joga com Blake, DeAndre e os outros jogadores do Los Angeles Clippers tem, do ponto de vista do armador, uma vida realmente bem bacana. O mais legal de tudo é que pra mim, que gosta de jogar em um estilo mais aberto, mais rápido, é que temos jogado desde a pré-temporada em um ritmo mais acelerado, mais rápido, mais fluído. Isso é fantástico pra mim.

BNC: Recentemente outro craque da Europa foi para NBA, o Sarunas Jasikevicius, mas ele não brilhou tanto na liga americana como brilhou na Europa. Isso lhe preocupa? É algo que você teve em mente quando assinou um contrato de 1+1 ano, ou não há nenhuma relação?
MILOS: Sinceramente não, Fábio. Eu só olho pra mim mesmo quando tomo as decisões. O motivo pelo qual eu escolhi este tipo de contrato é que quero ver como me saio para, logo em seguida, optar por algo mais longo, mais duradouro. Cada pessoa é diferente da outra, e eu tenho meu método de pensar.

BNC: Há uma história engraçada com o Patrick Beverley, que jogou com você no Olympiacos e que agora te reencontra no Clippers. Ele usava um nome falso para fazer reservas em hotéis de modo a evitar o assédio dos fãs. E era… Milos Teodosic. Você sabia disso? Agora ele não poderá mais fazer isso, né?
MILOS: Claro que soube. Ele me contou e a gente sempre ria disso juntos. Mas agora acabou esse tipo de brincadeira, né? Foi a primeira coisa que mandei pra ele quando assinei com o Clippers: “Pat, procura outro apelido porque estou chegando aí”. E aí ele me ligou dando gargalhadas. Jogamos juntos na Grécia e é ótimo tê-lo novamente como companheiro. Ele irá me ajudar demais na adaptação.

BNC: Com a saída do Chris Paul, o Coach Doc Rivers declarou à imprensa norte-americana que o jogo do Clippers seria menos de pick-and-roll e mais passes, ball movement. Menos corta-luzes e mais passes, muitos deles inclusive sendo iniciados com o Blake Griffin, fazendo com que o armador jogue mais fora da bola também. Você acha que foi por isso que ele lhe procurou para contratação? Como tem sido os primeiros dias com o Rivers? Vocês têm conversado muito sobre isso também?
MILOS: É difícil para mim, né? Não vou conseguir te responder a estas perguntas. São do passado. Eu só sei que tenho um grande suporte e um apoio incrível da comissão técnica e dos meus companheiros para que tenhamos sucesso nesta temporada. Não posso abrir muito nossa maneira de jogar, mas estamos muito confiantes e eu, particularmente, muito feliz porque é algo que não só sei fazer mas que também acredito que dará resultado. Sobre o Blake ter a bola nas mãos dele, não creio ser um problema, pois sei jogar sem ter a bola comigo o tempo todo e em alguns momentos eu até prefiro. Isso me dá a possibilidade de ver o jogo com mais calma, sem tanta pressão do marcador e procurar meus espaços. Pode ter certeza que vou tirar coisas positivas e vantagens competitivas de jogar com grandes atletas, como os que temos aqui no Clippers.

BNC: Recentemente seu país foi vice-campeão europeu e foi recebido em Belgrado com milhares de pessoas. Apesar de você não ter estado nesta edição, como é ser uma estrela do basquete em uma nação que ama tanto a modalidade como é a Sérvia? O que isso representa pra você, sobretudo neste momento onde as eliminatórias mudarão seu formato?
MILOS: A Sérvia é um país cujo esporte número um é o basquete. Isso é um fato. As pessoas amam o nosso esporte e os atletas são muito reconhecidos na rua, na imprensa, em todos os lugares. Isso é bem legal realmente. Especialmente depois de conquistar medalhas e chegar às finais isso aumenta bastante. Infelizmente o nosso time não conseguiu ganhar uma medalha de ouro nos últimos anos, mas estou muito orgulhoso do que eles atingiram como equipe, sinceramente. Não pude estar desta vez, mas acompanhei e torci demais. Sobre a mudança de regulamento, as eliminatórias, de fato agora há uma mudança bem gigantesca no formato e isso acarretará em uma adaptação monumental por parte dos times, atletas, comissões técnicas e torcedores. Grande parte dos atletas não poderá atuar na eliminatória, e tenho certeza que isso causará um problema imenso na Europa e também nos demais continentes do mundo. É uma pena realmente.

BNC: Por fim, qual foi a emoção de ter feito mais uma vez o seu Camp para ensinar meninos mais jovens? Qual é o sentimento quando você olha garotos sérvios te tendo como uma grande referência?
MILOS: TEO4 (o nome do Camp) é meu orgulho e meu prazer. Estamos fazendo o Camp há dois anos e neste período conseguimos fazer com que mais de 2 mil crianças fossem aprender um pouco de basquete. É engraçado porque embora eu tenha uma equipe imensa de treinadores para dar suporte às crianças eu me envolvo em todas as etapas, fazendo parte do dia a dia e ensinando um pouco do que aprendi. Me misturo a elas e sou mais um ali me divertindo, brincando, levando o esporte como ele deve ser levado. No próximo verão será de 20 de junho a 15 de agosto em Belgrado e você já está convidado (risos). Mais informações podem ser encontradas aqui. Meu maior objetivo é produzir mais e mais campeões no basquete e na vida.

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Topo