Bala na Cesta

Campeão do Pan-87, Guerrinha diz: 'Há 30 anos já praticávamos o basquete que se joga hoje'

Fábio Balassiano

22/08/2017 06h30

O título do Pan-Americano de 1987 completa 30 anos nesta quarta-feira. Um dos integrantes do time comandado por Ary Vidal era Jorge Guerra, o Guerrinha. Atualmente técnico de Mogi, um dos favoritos da próxima temporada do NBB, Guerrinha conversou com o blog sobre a conquista de Indianápolis, o impacto que ela teve em sua vida pessoal e profissional e muito mais. Confira a entrevista exclusiva.

BALA NA CESTA: Passados 30 anos, o que fica de mais importante daquele 23 de agosto de 1987 em Indianápolis?
GUERRINHA: Depois de 30 anos, o que fica é o que nós tivemos nestas últimas semanas. A amizade, o carinho, o respeito entre todos aqueles que estiveram naquele momento maravilhoso. É lógico que o título, a conquista, a forma que foi, contra quem, o local, tudo isso representa muito, mas muito mais entre a gente o que vale é o carinho. Na última sexta-feira estivemos com todas as nossas famílias na casa do Marcel (de Souza) em Jundiaí. Foi uma noite linda, tranquila, em que revivemos todos os momentos incríveis que passamos. Não é só a medalha que fica pra sempre, mas sim o respeito e o companheirismo que a gente mantém até os dias de hoje. É lindo, pelo lado público da coisa, encontrar as pessoas na rua e até agora as pessoas virem nos reconhecer por isso, nos reverenciar, falar que lembram daquele 23 de agosto, que passaram a acompanhar basquete por nossa causa. É isso que fica.

BNC: Você, na época, jogava em um basquete, digamos, mais controlado, mais cadenciado, o da escola francana e a seleção de 1987 era o oposto disso. Conviver com, digamos, tanto paradoxo deve ter sido difícil pra você, não?
GUERRINHA: A minha formação toda, como você disse, é da escola francana. Basquete controlado, que valorizava defesa, que era um pouco mais estudado. Na seleção era totalmente diferente. Um jogo de risco, muito voltado pro ataque e que a defesa fazia até parte das coisas, mas quase tudo se baseava mesmo na excelência ofensiva que tínhamos. Aquela geração marcou a todos pela força ofensiva, graças a Oscar e Marcel, arremessadores de elite. No começo, pra mim, foi muito duro. Confesso a você que eu entrava em conflito interno e me perguntava: “Será que tudo o que aprendi na minha vida inteira estava errado?”. Não, não era isso. Tudo o que aprendi estava muito certo, mas no esporte não existe o totalmente certo e nem o totalmente errado. Existem versões, visões diferentes dentro de um mesmo assunto. Hoje em dia, como treinador, eu tento aliar os dois lados – o francano e aquele que vivi na seleção. Às vezes não dá, mas quase sempre é possível. No final das contas, toda espiritualidade te leva a Deus. Então eu aprendi demais a conviver com isso. Foi grandioso pessoal e profissionalmente ter participado de um universo tático e técnico tão distinto daquele em que me formei.

BNC: O quanto daquela geração te influenciou e ainda influencia como técnico nos dias de hoje? O que você carrega daquela década hoje em dia como treinador?
GUERRINHA: Hoje eu sou uma mistura de tudo aquilo que vivi na vida. Umas coisas me identifiquei mais, outras menos, mas por exemplo o lance da confiança que o Ary Vidal passava aos atletas é algo que tento sempre falar com meus jogadores. Outro dia me perguntaram como eu seria, como técnico, daquela equipe de 1987. E eu respondi: “Eu teria muito problema”. O Oscar, por exemplo, queria jogar 40 minutos sempre. Hoje isso é impossível. Eu não tiraria a, digamos, irresponsabilidade que tínhamos pra jogar, mas eu dosaria um pouco mais isso principalmente nos finais das partidas. A gente jogava do primeiro ao último minuto da mesmíssima maneira, arriscando. Talvez trabalhar um pouco mais cerebral era melhor. A nossa geração jogava demais na emoção, o retrato do grandíssimo Oscar. Uma coisa, porém, eu aprendi e levo isso pra frente: nunca deixe de incentivar as qualidades de seus atletas. A gente jogava pra acertar, pra ganhar nas nossas qualidades. Eu prefiro assim, mas respeito as filosofias diferentes.

BNC: A crítica de que a geração que você fez parte “estragou” as gerações seguintes do basquete brasileiro é justa? Incomodam muito até hoje?
GUERRINHA: De forma alguma. Não me incomoda muito, cara. Respeito o que as pessoas pensam. O certo é utopia. O que é o certo? Não arremessar? Arremessar todas? O tempo médio por posse de bola dessa geração era de 9 segundos por ataque. Naquela época tinha um estudo que as seleções chutavam 9 ou 10 bolas de 3 por jogo. Nossa seleção, de 20 a 30. Hoje, na NBA e nas demais equipes, está nesse patamar aí de 20 a 30. Jogávamos, lá atrás, o que se joga hoje. Mas eu tenho o direito de não concordar, né? Ninguém estraga a geração seguinte. Cada um tem que fazer o que se sabe. A minha equipe não pode jogar no Sistema de Triângulos como o Chicago Bulls jogava porque eu não tenho Pippen ou Michael Jordan. Se minha equipe não tem arremessadores como o Golden State eu não posso jogar chutando rápido como eles fazem. O mesmo pode-se dizer do time de 1987. De forma alguma nós estragamos. Se as gerações que seguiram a nossa não conseguiram os resultados é porque elas não construíram uma identidade própria, algo que nós tínhamos. Cada um faz a sua. Certo ou errado. A geração do Wlamir e Amaury nos ajudou muito. Foram vencedores e jogaram diferente do que a gente jogava. Oscar e Marcel jogavam de um jeito porque tinham talento para tal. Eles marcaram presença no basquete por uma forma de atuar. Quando você tem um talento de exceção é preciso utilizá-lo da melhor maneira.

BNC: Daquele dia 23 de agosto de 1987, quando você fecha os olhos, o que você mais lembra
GUERRINHA: Rapaz, nunca tinha pensado nisso aí. Rapaz… O tempo passa, a gente vai vivendo, mas não pensa muito, né, Bala. Naquele dia o que eu mais me recordo é do pódio e do momento em que o juiz apita o final do jogo. Eu fui correndo atrás da bola, o árbitro toma da minha mão e eu fui comemorar com meus amigos. Na hora do pódio, não tinha o hino e eu lembro que nós cantávamos alto pra todo mundo ouvir. Eu lembro muito da nossa festa, da nossa comemoração.

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Topo