PUBLICIDADE
Topo

Bala na Cesta

Ministério do Esporte premia incompetência da CBB e cede R$ 14,8 milhões à entidade

Fábio Balassiano

24/01/2013 00h02

Confesso que quando li a notícia no final da noite de ontem eu quase caí da cadeira. Vamos ao texto que está no site do Ministério do Esporte (aqui o link completo): "A Confederação Brasileira de Basketball (CBB) assinou na tarde desta quarta-feira (23.01), em Brasília, sete convênios com o Ministério do Esporte (ME) para garantir estrutura para as seleções nacionais e fomentar a modalidade no país. O valor que chega a cerca de R$ 14,8 milhões é o maior investimento público nesta modalidade".

Bem, acho que não é preciso falar muito sobre o trabalho de qualidade extremamente duvidosa do Ministério do Esporte nos últimos anos (Agnelo, Orlando etc.), mas o que foi assinado ontem é um verdadeiro escárnio, um absurdo para a sociedade. Não tanto pelo projeto em si, que, (retiro parte do texto do site da CBB) "em sete projetos aprovados, envolve as Seleções Brasileiras Adulta e Sub-19 (feminina e masculina), a Escola Nacional de Treinadores de Basquetebol (ENTB), além de infraestrutura de quadra (pisos, tabelas, placares e cronômetros de 24s para Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Sergipe, Alagoas e Paraíba) e software" (links completos aqui e aqui). Mas pelo que a Confederação tem feito com verbas públicas de um tempo pra cá – e isso não está dito ali na nota, claro. Ah, e é pertinente lembrar que o aporte vem a três meses da conturbada eleição da entidade (meio surreal isso, não?).

Eu não sei até que ponto esse convênio com mais dinheiro público (lembremos que a também estatal Eletrobrás é a principal mantenedora da entidade máxima) para uma seleção adulta é bacana (não reprovo totalmente, mas não curto de maneira alguma – acredito que o ME deveria se preocupar mais com esporte de base, fomento apenas, deixando o alto rendimento com as Confederações), mas o que me choca é ver um derramamento de dinheiro público tão grande (quase 50% do orçamento da CBB em 2011, gente!) para uma entidade que se acostumou a se endividar nos últimos três anos e a não conseguir prestar contas da grana da Eletrobrás em 2012 (releiam mais sobre o tema aqui). Isso tudo, evidentemente, sem fazer com que o basquete evoluísse absolutamente nada no período (há uma estagnação, uma passividade, terrível na entidade máxima).

Para se ter uma noção, no começo de 2012 a Eletrobrás, principal mantenedora da Confederação (R$ 12,5 milhões em 2011), deduziu R$ 825.707 da parcela contratual de 2012 alegando que a entidade máxima utilizou este dinheiro para pagamento de tributos e contribuições não passíveis de cobertura contratual em 2011. Ou seja: o dinheiro da empresa pública, que deveria ser utilizado para o projeto de basquete do país, foi usado para outro fim – e isso não estava permitido em contrato (e sabe-se lá para que fim).

Este pode parecer um post duro, cruel com uma entidade e com uma modalidade que precisam de grana para investir fortemente em um esporte que perdeu terreno devido às sucessivas administrações tenebrosas de Grego na CBB. Mas me choca saber que o governo federal, através de seu Ministério, derrame uma quantidade tão grande assim de verba para uma Confederação que (insisto nesse tema) devia mais de R$ 6 milhões ao final de 2011 (estou doido pra ver o balanço de 2012…), que tem um processo gravíssimo sendo movido pela Champion (que pede mais de 4 milhões na Justiça) e cuja diretora de seleções femininas (Hortência, na foto à direita) proferiu a seguinte frase em junho de 2012: "Temos dificuldade para receber o dinheiro da Eletrobras. A Eletrobras não paga em dia. Se eu pego uma passagem para ir para a Europa, tenho de dar satisfação a eles. Patrocinador não tem de fazer gestão. Temos de prestar conta sim, mas é um patrocínio, não um convênio. Bloquear o dinheiro e não soltar prejudica muito. Nós estamos sendo muito prejudicados pela Eletrobras, principalmente a minha equipe de base que deixou de treinar porque eles seguraram o dinheiro". Bem, de acordo com o site do Ministério o que foi assinado foi justamente um… convênio.

Talvez seja reflexo de um Brasil que não se preocupa muito em como gastar a grana. Talvez seja reflexo de um Brasil que não se preocupa muito em fiscalizar o uso de verbas públicas. Só acho estranho, e ao mesmo tempo triste, reflexo de uma mentalidade que busca resultados imediatos (Rio2016) e não planejados, que um esporte (no caso o basquete) que se acostumou a se enrolar em seus próprios orçamentos seja agraciado com uma bolada financeira dessas no começo de 2013 justamente por parte do Ministério do Esporte. É premiar a gestão Carlos Nunes, cuja falta de competência a gente conhece em termos administrativos e financeiros, com quase R$ 15 milhões, é isso?

Deve haver alguma explicação bem bacana que neste momento não encontro. Quem sabe vocês me ajudam na caixinha de comentários!

Sobre o blog

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.