Bala na Cesta

Arquivo : Leandrinho

O mês de março dos brasileiros – Tiago Splitter voltou e Nenê segue brilhando
Comentários Comente

Fábio Balassiano

Não foi um mês tranquilo para os brasileiros na NBA, não. A grande notícia ficou com a volta de Tiago Splitter, que no final de março finalmente estreou na temporada 2016/2017 pelo Philadelphia 76ers. Outro que foi muito bem foi Nenê, que segue em ótima fase pelo Houston Rockets. Vamos a análise e números deles.

O MARÇO DE 2017 DOS BRASILEIROS

ACUMULADO DA TEMPORADA 2016/2017

Fevereiro/2017 , Janeiro/2017 , Dezembro/2016 e Novembro/2016

a) Anderson Varejão -> O brasileiro segue sem time. No começo deste mês surgiu um rumor de que o Cleveland teria interesse em contratá-lo para os playoffs, mas ainda nada de concreto.

b) Bruno Caboclo -> Caboclo não teve nenhuma partida na NBA e seu rendimento caiu muito na D-League. Em que pese ele ter jogado 7 partidas pelo Toronto 905, sua média não chegou a 10 pontos (ficou em 9,8). O lado bom é que em todas as pelejas ele esteve em quadra por 20 ou mais minutos. Aparentemente poderemos ter uma visão mais assertiva sobre o desenvolvimento de Bruno apenas na temporada 2017/2018 mesmo.

c) Cristiano Felício -> Felício vinha tendo mais um bom mês, com atuações seguras como a contra o Boston (10 pontos e 4 rebotes em 20 minutos), mas se machucou na partida contra o Toronto Raptors no dia 21 de março. Teve problema nas costas e só retornou na primeira semana de abril. Para azar dele, o francês Joffrey Lauvergne, que estava atrás dele na rotação dos pivôs, jogou bem na ausência do pivô brasileiro.

d) Leandrinho -> O ala do Phoenix teve três das quatro primeiras partidas de março com 10 ou mais pontos, mas depois só foi atingir a marca entre os dias 21 e 24 do mês. Desde o dia 26 de março ele não atua devido a uma lesão muscular.

e) Lucas Bebê -> Conforme previa, o tempo de quadra do pivô brasileiro ficou diminuto com as chegadas de Serge Ibaka e PJ Tucker, jogadores que fazem muito bem a rotação de garrafão do Raptors junto de Jonas Valanciunas e Patrick Patterson. De todo modo, confesso que não imaginava que a queda seria tão brusca assim. Não sei até que ponto o lado psicológico de Bebê tem influenciado para que a redução de minutos tenha se acentuado, mas o fato é que a vida dele não tem sido nada fácil no Canadá desde o All-Star Game, não.

f) Marcelinho Huertas -> Tal qual Varejão, está sem time na NBA. Aparentemente é improvável que ele consiga alguma franquia para jogar os playoffs.

g) Nenê -> Segue sendo o melhor brasileiro na NBA e com uma temporada brilhante. Tem evoluído assustadoramente com o Houston Rockets, fechando os jogos e em muitas ocasiões sendo uma ótima arma ofensiva dentro do garrafão. Das 12 partidas de março, em 7 ele obteve dígitos duplos. Contra o Thunder, no dia 26, fez um jogo estupendo com 17 pontos, 4 rebotes e 3 assistências. Nenê foi contratado para ajudar o Rockets com sua experiência e seu talento. Tem valido cada centavo que a franquia investiu nele.

h) Raulzinho -> O mês melhorou um pouco para Raulzinho. O tempo de quadra aumentou, seu rendimento também e ele mostrou algumas qualidades que ainda não tinham sido vistas – principalmente no lado defensivo. Tem sido usado sistematicamente como reserva de George Hill e aproveitado bastante o seu espaço. Em seis vezes jogou mais de 10 minutos e em quase todas elas muito bem. Contra o Knicks ele teve 10 pontos e na noite seguinte, contra o Clippers, quatro assistências. O começo da temporada não foi bom, mas o final tem sido bem razoável para o armador, que irá jogar os playoffs pela primeira vez em sua vida.

i) Tiago Splitter -> Chegou a vez de Tiago Splitter estrear. E estrear chamando a atenção dentro e fora de quadra. Usando um chamativo bigode o brasileiro voltou de lesão no quadril para atuar pelo Philadelphia 76ers, que tem lhe dado espaço para que ele termine o campeonato jogando. Foram 7 minutos no dia 28 de março contra o Bucks e 8 contra o Cleveland, quando inclusive matou uma bola de três pontos e fez cinco pontos. Pena que faltam poucos jogos para acabar a fase regular, porque aos poucos seu tempo de quadra e suas performances têm melhorado.


O difícil fevereiro dos brasileiros na NBA – o resumo do mês no melhor basquete do mundo
Comentários Comente

Fábio Balassiano

Desde o início da temporada 2016/2017 estou colocando no blog o desempenho dos brasileiros na NBA. Os números, uma leve pincelada, os destaques, essas coisas. Vamos lá a fevereiro de 2017? Teve muita coisa, hein!

O FEVEREIRO DE 2017 DOS BRASILEIROS

ACUMULADO DA TEMPORADA 2016/2017

NOVEMBRO/2016 , DEZEMBRO/2016 JANEIRO/2017

EVENTO BALA NA CESTA EM SÃO PAULO – 27/03

a) Anderson Varejão -> Anderson Varejão foi dispensado em 4 de fevereiro pelo Golden State Warriors. Desde então está procurando time na NBA, mas até o momento nenhuma proposta oficial surgiu. Seu nome foi especulado em Cleveland, em uma volta ao time pelo qual jogou por mais de uma década, mas os Cavs fecharam com o australiano Andrew Bogut e praticamente fecharam as portas para o brasileiro.

b) Bruno Caboclo -> Caboclo não entrou em quadra nenhuma vez por um cada vez mais reformulado Toronto Raptors, que foi um dos times mais ativos na janela de negociações da NBA trazendo o ala PJ Tucker e o pivô Serge Ibaka, mas o ala jogou muitas vezes e bem na D-League pelo Toronto 905. Foram 8 partidas e 27,5 minutos de média com 11,8 pontos, 40% nos arremessos e 5,8 rebotes. Entre 9 e 23 de fevereiro o brasileiro teve 4 partidas seguidas com 10+ pontos. Nos vídeos abaixo é possível ver a desenvoltura dele em quadra.

c) Cristiano Felício -> O pivô do Bulls ficou mais conhecido por isso aqui em fevereiro do que qualquer outra coisa:

Felício acabou correndo atrás de um rebote no último segundo de jogo contra o Cleveland, “tirou” o triplo-duplo de Dwyane Wade e foi motivo de brincadeira por parte do companheiro (Felício mesmo colocou em seu Twitter uma frase dizendo “Eu não sabia”). Ele estava certíssimo de ir atrás da bola porque pra ele qualquer rebote conta (seu contrato termina em junho), mas vale dizer que em fevereiro ele continuou a sua evolução na NBA. Foram 3 partidas com 10+ pontos, 5 com 20+ minutos e 5 com 5+ rebotes. Ele se consolida como pivô reserva da franquia de Illinois mesmo com a recente chegada do francês Joffrey Lauverne.

d) Leandrinho -> Foi um mês mais estável para Leandrinho na NBA. Se não jogou mais de 20 minutos nenhuma vez, em todas as partidas esteve em quadra por no mínimo dez minutos. Sempre bom ressaltar que função é dar experiência ao jovem Devin Booker, que tem jogado cada vez melhor, e entrar para “comer” os minutos quando o garoto descansa. Leandrinho teve uma partida muito boa contra o Pelicans em 06/02 ao anotar 14 pontos em 20 minutos e outra cinco dias depois contra o Houston quando cravou 12 nos mesmos 20 minutos. Nas duas oportunidades o brasileiro conseguiu 10+ pontos jogando fora de casa.

e) Lucas Bebê -> Lucas começou o mês muito bem com 10 pontos e 5 rebotes na partida contra o Boston. Atuou por 28 minutos e logo depois emplacou uma sequência de 7 partidas jogando 20 ou mais minutos em todas elas. Nesta série de jogos ele conseguiu 5+ rebotes por quatro vezes, mostrando presença perto da cesta e a força física de sempre. O problema para o brasileiro é que depois do All-Star Game o seu time, o Toronto Raptors, contratou Serge Ibaka e PJ Tucker, jogadores que atuam no garrafão. Com isso seu tempo de quadra caiu sensivelmente. Em fevereiro após o All-Star foram 3 jogos, com Lucas jogando 11, 10 e 0 minutos. Nas três saiu zerado em pontos e teve apenas 3 rebotes (somados). Se janeiro foi o mês de sua consolidação na NBA, fevereiro terminou com um ponto de interrogação imenso sobre seu futuro na franquia. Se Jonas Valanciunas é o pivô titular, aparentemente a rotação do técnico Dwane Casey para o garrafão agora contempla apenas Tucker, Ibaka e Patrick Patterson, outro ala. Bebê não tem sido utilizado e isso não é bom.

f) Marcelinho Huertas -> Huertas seguiu a sua sina de só jogar os minutos de partidas já decididas, mas no dia 23 de fevereiro de 2017 uma troca envolveu o seu nome. O brasileiro foi trocado pelo Lakers para o Houston, que logo em seguida o dispensou. Tal qual Anderson Varejão, ele procura novo time na NBA. Caso não consiga ficar na liga norte-americana, ele possui amplo mercado na Europa e é bem possível que ele retorne para o Velho Mundo caso nenhum time da NBA demonstre interesse por ele.

g) Nenê -> Aos 34 anos, Nenê mostra forma física invejável e uma arma fortíssima vindo do banco de reservas do Houston Rockets, o terceiro melhor time da conferência Oeste. Foram 3 jogos com 10+ pontos, inclusive os 15 pontos pontos e 7 rebotes contra o Indiana Pacers no dia 27 de fevereiro. Ele é disparada a melhor opção ofensiva entre os brasileiros na temporada 2016/2017 da NBA e tem conseguido produzir muitos pontos nos minutos em que está em quadra (a média de fevereiro ficou quase em 1 ponto a cada 2 minutos em quadra, algo excelente). Gosto sempre de ressaltar que o pivô está no basquete mais difícil do mundo há 15 campeonatos, e sempre com relevância, importância. É bem relevante.

h) Raulzinho -> Raulzinho não vive situação boa na NBA. É o terceiro reserva de um time muito bom (o Utah Jazz) ele só tem jogado realmente quando a partida está decidida (mesmo cenário que Huertas vivia no Lakers). Isso não é bom, e Raulzinho, mega jovem (completará 25 anos em maio), precisa de quadra, precisa jogar, precisa estar em atividade. A fase de sua carreira é de crescimento, e sinceramente vejo com bons olhos algum movimento de troca de ares para ele no próximo campeonato.

i) Tiago Splitter -> Tiago Splitter segue em sua recuperação do quadril, mas no dia 23 de fevereiro a sua vida mudou um pouco quando ele foi trocado pelo Hawks para o Philadelphia 76ers. Lá ele poderá fechar a temporada jogando um pouco e mostrando ao mercado que está bem em termos físicos. Seu contrato vence no final do campeonato e quanto mais ele conseguir atuar ainda nesta temporada regular pelo Sixers, melhor.

E você, o que achou do mês de fevereiro dos brasileiros? Comente aí você também.


O janeiro de 2017 dos brasileiros na NBA – Como eles foram?
Comentários Comente

Fábio Balassiano

Desde o início da temporada 2016/2017 estou colocando no blog o desempenho dos brasileiros na NBA. Os números, uma leve pincelada, os destaques, essas coisas. Vamos lá ao primeiro mês de 2017?

RELEMBRANDO NOVEMBRO/2016 & RELEMBRANDO DEZEMBRO/2016

O JANEIRO DE 2017 DOS BRASILEIROS

Janeiro

ACUMULADO DA TEMPORADA 2016/2017

Acumulado

a) Anderson Varejão -> Acho quase irrelevante falar do mês de janeiro de Anderson Varejão sabendo que no começo deste fevereiro o pivô foi dispensado do Golden State Warriors, né? Não dá pra dizer que é surpresa, porque o seu desempenho de fato não foi bom com a franquia de Oakland, mas é triste do mesmo jeito. Agora fica a pergunta: ele conseguirá outro time na NBA? Ou sua história na melhor liga de basquete do mundo terminou? Vamos esperar um pouco!

caboclo1b) Bruno Caboclo -> Caboclo praticamente não jogou na NBA, mas voltou a disputar muitos jogos na D-League pelo Toronto 905, onde é treinado por Jerry Stackhouse, um ótimo ala na NBA na década de 90. Foram 9 partidas pela filial do Raptors com 10,1 pontos de média, sendo em três oportunidades com o ala alcançando 14+ pontos e 7+ rebotes. Ainda é muito cedo pra projetar qualquer coisa sobre o jogador que completará 22 anos apenas em setembro de 2017. Bruno está sendo preparado pela franquia, que tem muita paciência com ele. Não é certeza que irá vingar, mas é um trabalho de longo prazo e convém esperar no mínimo até 2017/2018. Este é mais um ano de aprendizado para ele no Canadá.

felicio1c) Cristiano Felício -> Mais um mês de evolução para Felício no Bulls. É realmente o pivô reserva na caótica rotação do técnico Fred Hoiberg e tem uma qualidade que o seu titular, Robin Lopez, não possui – ele tem arremesso de média e longa distância, conseguindo espaçar muito bem a quadra e permitindo situações de infiltração de seus companheiros como Lopez não consegue fazer. Em janeiro, em três oportunidades, Felício passou dos 10 pontos e em duas conseguiu duplo-duplo (11+11 contra o Thunder e 12+10 contra o Magic. Em 7 jogos passou dos 20 minutos em quadra. Aos 24 anos e em seu último ano de contrato, o pivô vai mostrando que, sim, merece estar na liga. Ótimas chances de ele conseguir um novo, e gordo, contrato na próxima temporada.

d) Leandrinho -> O ano de Leandrinho começou com uma partida de 10 pontos em 13 minutos contra o Miami em casa. Poderia-se esperar que fosse dali pra melhor, mas não foi além, não. Ele mais uma vez jogou pouco, e apenas em 26 de janeiro, com 9 pontos em 16 minutos contra o Denver, teve algum destaque. Como Eric Bledsoe e Devin Booker, armadores titulares, têm ido muitíssimo bem, fica cada vez mais restrita a presença do brasileiro em quadra por muitos minutos.

lucas1e) Lucas Bebê -> Janeiro só não foi melhor para Lucas porque no jogo contra o Nets, no Brooklyn, em 17 de janeiro, ele teve uma concussão na cabeça. Estava sendo titular junto com Jonas Valanciunas, mas perdeu os dois jogos seguintes, fazendo com que sua performance não fosse ainda melhor (Patrick Patterson voltou para a posição quatro, e o brasileiro para o banco de reservas, de onde sai para ser o cadeado defensivo da segunda unidade). Bebê se firmou como pivô reserva e faz parte, de forma firme e consistente, da rotação do Toronto Raptors. Teve 13 pontos contra o Phoenix, 10 contra o Nets, 9 contra o Bucks e dois jogos com 4 tocos. Ah, e o cara agora está arriscando bolas de fora. Contra o Suns e Nets ele converteu duas.

f) Marcelinho Huertas -> Seis jogos, sempre com eles decididos e nada de relevante para Huertas em janeiro na NBA. É uma pena, torna-se repetitivo dizer isso aqui, mas a realidade é que já passou da hora de ele procurar novos ares. Ali, pelo visto, não vai acontecer nada pra ele mesmo. E digo isso com a certeza de que em alguma franquia com espaço para ele Huertas tem tudo para mostrar seu talento. O cara é muito, muito bom.

nene1g) Nenê -> Mês incrível para Nenê na NBA. Aproveitou cada segundo que esteve na quadra, teve atuações sensacionais como a contra o Sixers (21 pontos e 6 rebotes em 27 minutos) e contra o Bucks (17 pontos e 8 rebotes) e mostrou porque está há 14 temporadas no mercado de basquete mais difícil do mundo. Aos 34 anos, ele é uma peça pra lá de importante na rotação de Mike D’Antoni no Houston Rockets. Contra o Minnesota, em 11 de janeiro, ele inclusive matou uma bola de três pontos. Diante do Oklahoma, lá no começo de 2017, lances-livres fatais contra o OKC. Bem legal, Nenê! Arrebentou!

h) Raulzinho -> Outro que está em situação difícil na NBA. Passou pela D-League, quando esteve em quadra não foi muito bem e vê a concorrência (Shelvin Mack, Dante Exum e Alec Burk) comendo todo o tempo de quadra na armação que conta com o titular George Hill (este muitíssimo bem aliás). O mais complicado para Raulzinho deve ser segurar a ansiedade por querer mostrar serviço em pouco tempo de quadra sem parecer individualista. Torçamos para que ele ou encontre espaço em Utah ou que outra franquia aposte suas fichas no garoto de 24 anos.

i) Tiago Splitter -> Splitter ainda não estreou na NBA ainda. Deve retornar agora em fevereiro, depois do All-Star Game. Já faz trabalhos na quadra e treina normalmente com o seu time.

E você, o que achou do mês de janeiro dos brasileiros? Comente aí você também!


Leandrinho lança aplicativo e fala sobre retorno ao Phoenix Suns na NBA
Comentários Comente

Fábio Balassiano

app_leandrinho1Dono de carreira vitoriosa na NBA, Leandrinho, campeão com o Golden State Warriors em 2015 e eleito o melhor reserva da liga em 2007, quando registrou a média de 18,1 pontos por jogo (a maior entre a dos atletas brasileiros), fecha o ano de 2016 com uma novidade para seus fãs: o ala do Phoenix Suns lançou esta semana o “Blurbosa”, aplicativo que tem o objetivo de estreitar ainda mais seu relacionamento com o público através de conteúdos diários e exclusivos acessíveis a todos. O App está disponível na Google Play (clique aqui) e na App Store (aqui) e já pode ser baixado. Conversei com o atleta que completou 34 anos no último dia 28 de novembro sobre isso, seu retorno ao Phoenix, a recepção emocionante que ele teve recentemente da torcida do Warriors, a mudança do jogo, cada vez mais rápido, e também da crise no basquete brasileiro. Confira o papo exclusivo com ele.

leandrinho2BALA NA CESTA: Você está lançando o seu aplicativo neste final de 2016. Qual o principal objetivo desta tecnologia? O que seus fãs podem esperar acessando o App?
LEANDRINHO: Meu principal objetivo é estreitar os laços de relacionamento com meus fãs, principalmente com os brasileiros. Nem todos os meus jogos são transmitidos para Brasil e às vezes a pessoa não tem condição de me acompanhar no dia a dia. Através do ‘Blurbosa’, desenvolvido em parceria com a empresa FanHero, vou me aproximar desses fãs com um conteúdo totalmente exclusivo. Vai ser legal para as pessoas acompanharem meu cotidiano de treinos, jogos, bastidores e momentos com a família e os amigos.

leandrinho5BNC: Como está sendo esse seu retorno ao Phoenix Suns? Esta é a sua terceira passagem pela franquia (de 2003 a 2010 e depois em 2014), e você está com uma função diferente, de passar muito da sua experiência para o garoto Devin Booker (ambos na foto). É algo novo pra você, não?
LEANDRINHO: Sim, é algo novo. Estou no papel de ser o lado experiente agora. Mas lá atrás, quando eu estava começando, eu passei pelo que o Devin Booker tem passado. Então posso garantir que sei bem o que é necessário e o que é fundamental no processo de evolução e maturação de um jovem atleta. Para mim é de fato uma nova função, mas estou gostando da forma como tenho ajudado a ele e sobretudo o time.

leandrinho1BNC: Uma coisa que é impressionante é que a cada jogo que você entra o carinho da torcida do Phoenix só faz aumentar. Neste estágio da sua carreira, receber esse amor chega a ser o mais importante em sua vida profissional?
LEANDRINHO: Felizmente eu tenho a alegria e o orgulho em falar que já recebi muito carinho e amor ao longo da minha carreira tanto no Brasil como nos Estados Unidos, além dos torneios pela Seleção. É sempre diferente, especial, algo que me motiva demais. É lógico que os fãs em Phoenix têm um lugar cativo no meu coração e eu serei grato eternamente a eles por tudo que vivi e ainda vivo com a camiseta do Suns.

leandrinho10BNC: Outro ponto bacana de se falar é que recentemente você voltou a Oakland e a torcida do Golden State Warriors, time pelo qual você foi campeão em 2015 e vice-campeão em 2016, também se levantou para aplaudi-lo de forma bastante efusiva. Antes do jogo todos vieram falar com você, brincaram, te abraçaram. O que você sentiu quando, depois de 2 anos, pisou na arena como visitante?
LEANDRINHO: Um misto de saudade, orgulho por tudo que conquistamos e a incrível sensação de ter deixado um legado como jogador e como pessoa. Ver bandeiras do Brasil nas arquibancadas e ser aplaudido de pé me deixou realmente emocionado. Confesso que não esperava tamanho carinho.

leandrinho11BNC: Você está há mais de uma década na NBA e acho que dá pra perceber quão rápido está o jogo agora em relação aquele que você jogou tempos atrás. É possível explicar isso? Este tipo de jogo mais aberto, mais acelerado, te agrada, certo? Falta defesa hoje em dia, você acha? Os times têm pontuado demais, diferente do que víamos no começo dos anos 2000…
LEANDRINHO: Pelas minhas características e pelo meu estilo de jogo essa rapidez me agrada, sim. Eu acabo me encaixando com mais facilidade nas partidas. Mas não acho que falte defesa. Embora enxergue a parte tática como algo decisiva, hoje o potencial físico e técnico dos atletas é ainda maior do que era na década passada, quando comecei a jogar na NBA pelo mesmo Phoenix Suns. A diferença é esta mesmo que você citou. O jogo é menos cadenciado, mas ainda é muito forte, técnico e tático. Creio que vivemos o auge do basquete em todos os sentidos.

leandrinho100BNC: Recentemente a FIBA suspendeu a CBB devido a problemas de gestão e vimos poucas manifestações dos atletas em relação a isso. O que você tem a dizer sobre o ocorrido? Não chegou a hora de os jogadores, entre eles os mais importantes, dentre os quais você se inclui, participarem e cobrarem mais?
LEANDRINHO: Ideologicamente nem sempre todos os jogadores e dirigentes irão pensar igual. Todos queremos o melhor para o basquete brasileiro, mas nem tudo pode ser resolvido na base da cobrança. É preciso haver diálogo, planejamento, para que, enfim, possamos retomar os melhores dias do nosso basquete. Eu vejo evoluções, vejo um campeonato consolidado nacionalmente que é o NBB, times crescendo, jogadores surgindo, mas sem dúvida ainda há muito o que melhorar. E precisamos disso.


Projetando a temporada dos Brasileiros na NBA – comente você também!
Comentários Comente

Fábio Balassiano

Rockets1Você já leu aqui a previsão para a temporada da NBA que começou ontem, né? Então vamos lá analisar todos os brasileiros que farão parte do campeonato.

Nenê -> Contratado pelo Houston Rockets, o brasileiro há mais tempo na NBA (o tempo passa rápido e pouca gente nota que ele está no melhor basquete do mundo desde 2002/2003) terá boa minutagem no time texano. Disputará tempo de quadra com o razoável Clint Capela com a vantagem de ter armas que melhor se adequam ao estilo de jogo de Mike D’Antoni, novo treinador da franquia. O camisa 42 passa melhor que Capela, o que é fundamental para um time que acelera o jogo até dizer chega, e apesar dos 34 anos ainda consegue fazer bloqueios e partir em direção a cesta para pontuar. Se pode lhe faltar o vigor físico devido a idade, sobra experiência para um elenco que está tentando encontrar a sua identidade. Gosto das possibilidades dele, que está totalmente recuperado da fascite plantar e que fez excelente Olimpíada.

Podcast BNC sobre o começo da temporada

barbosa1Leandrinho -> É óbvio que para Leandrinho o melhor que poderia ter acontecido em termos profissionais era mesmo ficar no Golden State. Mas a franquia de Oakland optou por seguir em outra direção e coube ao brasileiro saciar o seu lado, digamos, emocional. Ele vai para a sua terceira passagem em uma franquia que o venera, cujos torcedores o amam e conhecendo perfeitamente o ambiente. O agora camisa 19 vem, porém, com uma missão bem diferente das que anteriormente cumpriu no Arizona. Agora Leandrinho entra para ensinar ao jovem Devin Booker (19 anos) os atalhos da liga e para ser uma espécie de mentor do garoto. É natural, acontece com todos os atletas da liga e é uma função pra lá de respeitável. Se não chegará longe, como ocorreu ou ocorreria com os Warriors, que Leandrinho aproveite o momento para passar a sua experiência para Booker e para sentir o carinho dos fãs de Phoenix.

tiago1Tiago Splitter -> Não será um ano fácil para Tiago Splitter. Em primeiro lugar porque ele será reserva do principal reforço do Hawks para a temporada. Dwight Howard chegou e ele sabe que o camisa 12 “comerá” no mínimo 30 minutos/jogo. Depois porque ele vem de uma lesão séria no quadril – e a gente sabe que retornar de uma cirurgia nem sempre é fácil. Isso tudo em último ano de contrato. Ou seja: em um cenário não tão fácil o pivô precisará mostrar que está recuperado e que tem basquete (e eu acredito que tenha sobrando…) para permanecer na liga por mais e mais tempo. A vantagem disso tudo é que a cabeça de Tiago é muito boa e sua força mental será sem dúvida importante para superar este difícil recomeço.

O palpitão do blog para a temporada 2016/2017

felicio1Cristiano Felício -> Se tem alguém entre os brasileiros que pode surpreender nesta temporada, este alguém é Cristiano Felício. O pivô começará como reserva de Robin Lopez, mas quem acompanha o ex-jogador do Knicks sabe que ele está longe de ser confiável. Felício, então, poderá comer pelas beiradas e ganhar espaço da mesma maneira que já fez no campeonato passado – defendendo muito bem, saindo ferozmente dos picks para enterrar a bola na cesta e convertendo arremessos de média distância. Jogar com Dwyane Wade, pelo lado da experiência, e Rajon Rondo, armador que não tem muito arremesso e que por isso procura demais a seus companheiros para que estes finalizem, também será muito bom para o brasileiro. Que Felício mantenha a cabeça no lugar, porque as oportunidades de mostrar talento irão aparecer.

andy1Anderson Varejão -> Chegou enfim a hora de Anderson Varejão se sagrar campeão da NBA? Ele chegou perto duas vezes nas finais passadas (com o Cavs contra o Warriors e com o Warriors diante do Cavs), mas bateu na trave. Para sua sorte ele permaneceu no Golden State mesmo que seu rendimento não tenha sido tão brilhante assim no certame passado. Aparentemente, porém, a franquia confia nele para fazer o trabalho sujo na defesa e por ser uma ótima influência no vestiário. Em um elenco que pode, sim, ter problemas com os egos de Steph Curry, Klay Thompson e Kevin Durant (não acredito que isso ocorra, mas que é possível, é), uma figura carismática, experiente e tranquila como Anderson Varejão é uma grande vantagem. Que ele se mantenha saudável para tentar concretizar um de seus grandes sonhos – ganhar o anel de campeão da liga.

raul2Raulzinho -> Não será um ano fácil para Raulzinho, não. Se o começo de sua temporada de estreia no Utah foi animador, do meio para o final do campeonato passado não foi bem assim. Shelvin Mack chegou e seu tempo de quadra reduziu. Para 2016/2017, cenário ainda pior. George Hill chegou, Dante Exum se recuperou de lesão no joelho e Mack ficou. Se estava difícil arrumar minutos em Salt Lake City em 2016, o que dizer do atual panorama? Não consigo projetar o ano de Raulzinho justamente porque não se tem ideia, ainda, de quantos minutos ele terá por jogo, quais serão as suas reais funções e como serão os desempenhos dos dois que Quin Snyder, o treinador, mais confia para este início (Hill e Exum).

huertas9Marcelinho Huertas -> O titular da posição 1 do Lakers chama-se D’Angelo Russell. Não por esta temporada, mas aparentemente por muitos e muitos anos. D-Lo, como é conhecido, tem tudo para ser a cara da franquia e um dos melhores da liga em pouco tempo. Fiz essa introdução para explicar em que cenário se encontra Marcelinho Huertas, que disputará os minutos restantes de Russell com outro armador experiente (José Calderon). Pelo que vi na pré-temporada o brasileiro conta com a simpatia de Luke Walton, o técnico, e tem ótimo relacionamento com alguns dos caras que sairão do banco de reservas com ele (Larry Nance Jr. principalmente). Ele continuará jogando pouco e precisará mais uma vez se acostumar com isso. Não é nenhum problema ser reserva do Lakers, mas eu sinceramente acho que Huertas tem mais basquete do que o que será visto em Los Angeles em poucos minutos por noite.

cabocloBruno Caboclo -> Não é animador o panorama para Bruno Caboclo mais uma vez. O Toronto segue fortíssimo no Leste, não há a menor chance de entrar em reconstrução e com os contratos longos de DeMar DeRozan e DeMarre Carroll os minutos nas posições 2 e 3 ficam muito restritos no Raptors. Para piorar, o camisa 20 não foi muito bem na pré-temporada, quando o tempo de quadra dos titulares mais experientes é reduzido e os jogadores que precisam de espaço normalmente tentam mostrar algo. Caboclo continua baseando seu ataque apenas em bolas de fora e na defesa segue com dificuldade de leitura de jogo – potencializada por uma natural barreira de linguagem entre ele e os atletas. Seu contrato vence apenas ao final do campeonato de 2017/2018, mas é bom ele começar a mostrar à franquia o motivo pelo qual ele foi escolhido anos atrás no Draft.

bebeLucas Bebê -> Outro que não tem situação confortável no Toronto. Bebê foi bem em alguns momentos na temporada passada, esperava ter mais chances quando o congolês Bismack Biyombo assinou com o Orlando Magic, mas a franquia optou por trazer outro pivô no Draft. O austríaco Jakob Poeltl vem da Universidade de Utah, tem 21 anos, 2,13m e jogou bem e bons minutos na pré-temporada torontina. Todo mundo sabe que o dono da posição cinco dos Raptors é Jonas Valanciunas. Ficará entre o brasileiro e Poeltl a disputa pelos minutos restantes do lituano. Se Lucas Bebê ganhar esse confronto interno pode se dar muito bem e se estabilizar como reserva de Valanciunas e peça importante na rotação de Dwane Casey.

O que você acha? Concorda comigo? Comente você também!


Promoção BNC: concorra a camisa do Leandrinho, ala do Warriors, da NBA
Comentários Comente

Fábio Balassiano

lb5Tava com saudade de uma promoção bacana aqui no blog? Então voltamos em grande estilo. Quer ganhar a camisa de Leandrinho, ala brasileiro atual campeão pelo Golden State Warriors? É MUITO fácil.

Para isso, CURTA e COMPARTILHE o post no Facebook (ele está fixo no topo da página ou clicando aqui no link) em sua página no Face e marque NO MÍNIMO TRÊS amigos nos comentários (podem ser mais de três, hein!).

Promoção Válida até 23h59 de 29/03/2016. Boa sorte a todos.


Warriors iniciam série de 7 jogos fora de casa – cairá a invencibilidade?
Comentários Comente

Fábio Balassiano

dray1A grande história da temporada 2015/2016 da NBA até o momento atende pela invencibilidade (e melhor começo da história da liga) do Golden State Warriors. No sábado em casa o time contou com o segundo triplo-duplo seguido (13 pontos, 11 rebotes e 12 assistências) do excelente Draymond Green (na foto) para chegar a 18ª seguida ao bater o Sacramento por 120-101, conseguindo descansar suas feras (Steph Curry e Klay Thompson tiveram menos de 30′, Harrison Barnes foi poupado e Andre Iguodala e Andrew Bogut jogaram menos de 25′) em outra performance incrível na linha dos três pontos (16/30) e 32 assistências nos 39 arremessos convertidos.

gsw1Não custa lembrar que a maior sequência de vitórias da história da NBA em uma mesma temporada foi a do Los Angeles Lakers em 1971-1972 com 33, mas isso ainda está um pouco longe para Steph Curry e companhia. A pergunta que fica, agora, é: quando o Golden State Warriors vai perder? Na foto ao lado (se for preciso clique nela para ampliar) separei todos os jogos até o final de 2015. E o perigo para a queda da invencibilidade pode estar mesmo nos próximos duelos.

curry1Depois de sábado os Warriors embarcaram para uma série de sete partidas fora de casa que começa hoje (seis no Leste). Os atuais campeões terão Jazz (nesta segunda-feira), Hornets (quarta-feira), Raptors (sábado), Nets (domingo), Pacers (8/12), Celtics (11/12) e Bucks (12/12) em uma turnê que, se não é tão complicada quanto medir forças com bambas do Oeste longe do lar (Spurs, Grizzlies, Rockets ou Clippers, por exemplo), sempre mexe com as estruturas de qualquer equipe porque há, além dos rivais virem babando querendo acabar com a festa do GSW, um enorme desgaste com viagens, hotéis e fusos diferentes.

klay1Caso saia ileso desta série de sete partidas longe do lar o Golden State volta pra casa para cinco dos sete últimos jogos de 2015 diante de sua torcida (para a NBA seria muito genial se a sequência invicta se mantivesse até o Natal, com a reedição da final contra o Cleveland Cavs em Oakland no dia 25/12). Por enquanto, porém, vale a pena ficar de olho nesta turnê dos Warriors longe da sua torcida antes de projetarmos os passos seguintes.

Será que Curry, Klay, Leandrinho, Green e companhia voltam para a Califórnia com 25-0? Ou a invencibilidade cai antes? Comente aí!


Será que o Golden State conseguirá repetir o caneco da NBA nesta temporda?
Comentários Comente

Fábio Balassiano

gsw5Não dá pra dizer que todo mundo esperava que o Golden State Warriors ganhasse o título da NBA na temporada passada como acabou acontecendo em 16 de junho. Antes do campeonato pensar tínhamos apenas um bom elenco no papel com dois ótimos jogadores (Steph Curry e Klay Thompson), mas um técnico estreante (Steve Kerr), uma dúvida no pivô (Andre Bogut e suas lesões em sequência), um ala-pivô “baixinho” que despontava (Draymond Green) e uma filosofia de jogo que tirava as “posições” e colocava as “funções” como principal característica (como escrevi aqui).

gsw3A transformação deu certo e o Golden State conquistou o título da NBA após 40 anos. Foi uma linda festa em Oakland, com a torcida lotando a praça da cidade para ver o desfile do time que bateu o Cleveland Cavs em seis jogos na decisão da NBA. O tempo passou, o elenco que tem o brasileiro Leandrinho (foto ao lado) é basicamente o mesmo (saiu David Lee mas chegou o útil Jason Thompson para o seu lugar) e a pergunta fica: será que os Warriors conseguem, em 2015/2016, repetir o feito do campeonato passado?

gsw1A resposta disso não passa pelo lado físico. Quatro dos cinco titulares do time na campanha passada (Curry, Thompson, Green e Harrison Barnes) não têm nem 27 anos e possuem muito “gás” para queimar em alto nível por mais seis, sete anos (no mínimo). O elenco de apoio (incluindo aí Andre Iguodala, MVP das finais, Andrew Bogut, Leandrinho e o ala-pivô Festus Ezeli, que deve ganhar mais e mais espaço com a saída de David Lee) tem no jogador mais velho justamente o brasileiro (32 anos e com uma velocidade descomunal, sabemos bem). Ou seja: está longe de ser um problema a parte física.

gswA questão principal para o Golden State continuar reinando reside, ao menos para mim, em quais ajustes os outros times farão para segurar o jogo forte de transição e de bolas de três pontos dos Warriors. A defesa do GSW é muito boa, foi muito ativa em toda temporada passada e não deverá ser modificada (deve, pelo contrário, aumentar ainda mais a intensidade com os desenvolvimentos de Draymond  Green e Ezeli), mas certamente os oponentes trarão novidades na marcação para frear Curry, Thompson e Green (principalmente no perímetro). Os Warriors chutaram quase 40% de três pontos na temporada passada inteira e os dois principais jogadores (Curry + Thompson) atingiram 44,3% e 43,9% de aproveitamento nas bolas longas, respectivamente. Um absurdo de percentual de acerto, sem dúvida alguma (e completamente fora dos padrões do, digamos, normal).

gsw9Se conseguirem manter este ritmo (ou este aproveitamento), é bem provável que os californianos consigam se manter no topo do Oeste e da NBA para esta temporada (em que pese a ausência inicial do técnico Steve Kerr, que operou a coluna – poderá perder os jogos iniciais da equipe, sendo substituído pelo assistente Luke Walton). Caso os adversários forcem os Warriors a jogar de outra maneira, será testado o arsenal ofensivo dos comandados de Kerr e aí sim Curry e companhia poderão ter problemas (jogos mais travados e físicos, como foram os contra os Grizzlies, enrolam os Warriors, por exemplo). O técnico, que não é bobo, tem testado formações diferentes na pré-temporada, algumas vezes atundo sem NENHUM pivô inclusive (com Iguodala sendo o atleta mais perto da cesta).

gswEntre um (o ponto ótimo da temporada passada) e o outro (não conseguir sair das armadilhas dos adversários), creio que o Golden State conseguirá se manter lá no topo do Oeste.

Se vai ganhar a conferência e retornar à final da NBA é bem difícil de dizer pois há quatro outros times de mesmo nível brigando pelo título (Spurs, Clippers, Grizzlies e Rockets). Mas para mim parece claro que os Warriors brigarão sempre pelo caneco sempre que tiverem este excepcional núcleo junto.


Com o título da NBA, a mais bela página da carreira de Leandrinho
Comentários Comente

Fábio Balassiano

lb13A noite de 16 de junho de 2015 não será esquecida pelos jogadores do Golden State Warriors. Todos conquistando o título da NBA pela primeira vez. Nenhum com tanta “estrada” na maior liga de basquete do planeta quanto Leandrinho.

Cheguei a escrever um pouco sobre a trajetória de superação do brasileiro antes da final da NBA (mais aqui), mas não custa nada lembrar que o cara que abocanhou o segundo troféu da liga para o Brasil está em sua 12ª temporada (a maior experiência de um grupo de garotos), que operou o joelho em fevereiro de 2013 e que assinou dois contratos temporários com o Phoenix Suns no meio da temporada passada. Isso tudo, lembremos, com uma passagem de 8 jogos pelo Pinheiros no final de 2014 para recuperar a forma física.

lb10A história da carreira (e da vida de um modo mais amplo) de Leandrinho foi coroada na terça-feira com um troféu conquistado com muita luta. Reserva dos dois melhores jogadores de um timaço (Steph Curry e Klay Thompson), ele teve que lutar por cada minuto de quadra contra Shaun Livingston e foi ganhando a confiança do técnico Steve Kerr aos poucos. Nos playoffs, viveu ótimos momentos contra o Houston Rockets marcando o candidato a MVP James Harden, mas o melhor mesmo viria no jogo 5 contra o Cleveland na final. Foram 13 pontos e o ginásio inteiro a aplaudir a sua atuação. Veja só.

lb12Dá pra entender bem a emoção de Leandrinho nas entrevistas pós-jogo em Cleveland, né? Qualquer ser humano que tenha passado pelo que ele passou se sentiria nas nuvens, fora do controle. É uma sensação diferente para qualquer um. Pelo que ele passou e pela incerteza sobre seu futuro (seu contrato fora apenas para esta temporada), ainda mais, vamos combinar.

gsw3De carta fora do baralho na melhor liga de basquete deste planeta, o ala-armador de 32 anos tornou-se o primeiro jogador a conquistar um nacional do Brasil (por Bauru em 2002) e um título da NBA e o primeiro a ter atuado pelo NBB e por um time campeão da NBA, escrevendo, assim, a mais bela página de sua vida profissional.

Nada é garantido nessa vida, mas valorizado pelas últimas atuações no mata-mata e por ser ótimo de grupo é bem provável que Leandrinho volte aos Warriors para a próxima temporada ou encontre espaço em outra franquia. Seria outro prêmio pelo seu esforço, mas  independente do que aconteça, seu lugar já está na história do basquete brasileiro.

Que o país valorize esta conquista, colocando-o no patamar que ele merece. Ninguém joga 12 anos na NBA sem ter muito merecimento. É o caso de Leandrinho.


O basquete das funções, o segredo do campeão Golden State Warriors
Comentários Comente

Fábio Balassiano

gsw4

gsw11“Os Warriors mudaram a forma como o basquete é jogado. Exatamente como o meu Lakers do Showtime (década de 80) fez quando fomos campeões. Na próxima temporada da NBA todos os times tentarão contratar jogadores verstáveis como os Warriors têm” . Foi assim que Magic Johnson definiu a conquista do Golden State ontem à noite em sua conta no Twitter. Desnecessário dizer que trata-se de um dos maiores nomes do esporte mundial em todos os tempos, de alguém que de fato modificou o jogo com o Los Angeles Lakers (como ele mesmo cita) e que, por ser um empolgado por natureza, de vez em quando ele exagera (principalmente no calor das emoções de uma final).

gsw3Mas neste caso consigo entender e concordar com Magic Johnson, sim. Ainda estamos literalmente no calor do feito de ontem e muita coisa irá acontecer com esta equipe e com o próprio técnico Steve Kerr. Certamente o Golden State será mais visado por todos (adversários, imprensa, torcedores, patrocinadores etc.) e nem sempre é fácil lidar com isso. Mas a maneira como os Warriors jogaram esta temporada merece ser estudada com um pouco mais de calma. O time terminou com 67 vitórias, o MVP da fase regular (Steph Curry) e das finais (Andre Iguodala), o melhor ataque da NBA, a segunda melhor defesa, 11 jogadores jogando 10+ minutos por noite e um basquete lindíssimo, daqueles que enchem os olhos de todos. Não é, digamos, algo normal, usual, comum, visto por aí a cada esquina (ou quadra).

gsw7Um basquete de velocidade, de arremessos de três, de cortes, mas sobretudo de funções. Ao contrário do que estamos acostumados a ver, Steve Kerr teve a inteligência (e escrevi isso aqui antes da final) de verificar que a grande qualidade do seu elenco não era “só” a atribuição técnica de seu esplêndido grupo de atletas. O básico seria que o novo treinador utilizasse um sistema de jogo (no ataque e na defesa) que o agradasse e que o adaptasse ao Golden State. Golden State que, de mais a mais, já estava evoluindo nas mãos de Mark Jackson nos anos anteriores a chegada de Kerr.

kerr10Mas o novato fez diferente. E fez diferente por notar que ali havia algo mais, algo diferente de se encontrar em um punhado de atletas: uma heterogeneidade incrível no elenco, uma maneira que faria com que o jogo fosse disputado em outra dimensão. Parece simples dizer isso agora, mas requer estudo, humildade para conviver com o erro e muita persistência. Mas acabou dando certo (muito certo, obviamente). Com os 12, 15 atletas do Golden State o técnico-alquimista experimentou mais de 100 formações diferentes na temporada. Em nenhuma delas deixou claro ao adversário como se fazia para marcá-lo. Com todas elas explorou ao máximo o espaçamento em quadra, possibilitando que a maior arma (os chutes de três) fosse desferida quase sempre em liberdade e que, com a quadra aberta, os pontos de contra-ataques saíssem com naturalidade. A capacidade atlética de seu time, um dos pontos fracos apontados por todo mundo, não foi notada porque Steve Kerr conseguiu “escondê-la” brilhantemente.

gsw9Era muito mais fácil para qualquer técnico que estivesse chegando no Golden State (e para um novato ainda mais) que não ousasse. Era o básico, o caminho mais fácil e até natural. Mas Steve Kerr e os jogadores queriam, e até precisavam, de mais. Steph Curry não PODE jogar de maneira simples, no meia-quadra habitual justamente pelo seu físico e pela maneira como chuta após os dribles (algo completamente fora dos padrões). Pedir que Klay Thompson atue de maneira cerebral, travada, é castrar a sua principal habilidade (os arremessos rápidos). Cogitar que Draymond Green bata de frente com alas mais altos e fortes perto da cesta seria uma sandice.

gsw5A maneira, portanto e de modo a fazer com que este trio funcionasse da melhor maneira, foi testar, ousar, esquecer das posições e pensar apenas em funções. Na defesa, ao invés do mano a mano tradicional, um exército que marcava coletivamente e pressionando a bola a cada segundo foi a melhor solução. No ataque foi mais complexo. Pensar apenas na polivalência de um elenco que poderia fazer mais do que uma… posição ao mesmo tempo. O ala Harrison Barnes jogando perto da cesta para abrir espaço para o ala-pivô Green chutar de fora? Foi feito. Andre Iguodala, Barnes e Green nas alas JUNTOS para tirar os pivôs rivais de perto da cesta ou deixá-los totalmente confusos? Foi feito (e muito). Steph Curry liberado da condução de bola, com Shaun Livingston armando o ataque? Idem. Como parar um time assim? Fica quase impossível justamente porque é difícil prever o que estará do outro lado a cada posse de bola. O arsenal ofensivo é enorme, o talento é também muito grande e (palavrinha mágica) as variações tendem ao infinito.

gsw1E aqui, aliás, cabe uma recomendação a quem assiste basquete aqui no Brasil (de torcedores, passando por imprensa, dirigentes e técnicos): vamos esquecer de uma vez por todas essa bobagem de definir jogador pela posição em que, teoricamente, ele atua. LeBron James é o ARMADOR de seus times desde que entrou na NBA. Joakim Noah, em teoria o pivô do Chicago, exercia em muitos momentos a alcunha de armador da equipe ano passado. Steph Curry é armador e finalizador. Pivôs, hoje, chutam de três com facilidade. Armadores, atualmente, pegam muitos rebotes. Há alas que beiram as 8, 10 assistências de média. Sendo mais claro: não existe mais essa de “pré-definir” um atleta pela sua altura ou pela forma como as escalações figuram. Há uma histeria, um fricote, um ridículo espírito candinha de se ver as coisas de maneira atrasada por aqui que chegam a chocar em alguns momentos (principalmente na imprensa especializada, que deveria estudar mais ao invés de ficar presas a definições fáceis). Olhemos todos para as funções, para as maneiras como estes atletas agem dentro de quadra para avaliá-los. O basquete mudou muito de 15, 20 anos pra cá e ficar analisando a modalidade como se fosse o mesmo jogo de 40, 50 anos é um erro absurdo e que diminui absurdamente a capacidade de ver a beleza do NOVO jogo.

gsw12Mas, bem, voltando. O Golden State é, digamos assim, uma obra ainda em progresso. Pode ser que este núcleo aí formado por Steph Curry, Draymond Green, Klay Thompson, Andre Iguodala, Harrison Barnes e Andrew Bogut (os que têm contratos mais longos) nunca mais ganhe nada. Pode ser, até, que daqui a 10 anos a gente olhe para a conquista de 2015 e verifique que ela foi um sonho de uma noite de verão apenas. Aconteça o que acontecer, os Warriors deixam, desde já, um legado de como o basquete pode ser praticado de forma mais veloz, divertida, sem grandes preocupações com “nomes” de posições pré-estabelecidas e utilizando ao máximo os números ao seu favor (os tais analytics, como se costuma dizer nos Estados Unidos).

E isso já é coisa pra caramba.