Bala na Cesta

Arquivo : novembro 2013

Westbrook salva o Thunder com chute milagroso
Comentários Comente

Fábio Balassiano

west1Grandíssimo jogo de basquete ontem em Oklahoma (foram 13 e fiz um resumão aqui, hein!). O Thunder recebeu o Golden State Warriors (32 pontos, 11 rebotes e 5 assistências de Stephen Curry), ficou atrás em grande parte do jogo e conseguiu levar a peleja para a prorrogação. Lá, vencia por 110-106 quando Stephen Curry, David Lee e Harrison Barnes viraram a partida para 112-110 com 45 segundos por jogar.

Kevin Durant tentou virar, mas errou. No ataque do Warriors, Harrison Barnes também não converteu. O Thunder, que só havia marcado seis pontos na prorrogação (todos com Durant ou Russell Westbrook) teria uma última chance. Serge Ibaka recebeu de Durant, mas desperdiçou. E aí sim veio a última chance com Westbrook, após rebote de Jeremy Lamb. Vejam só no vídeo!

Vitória do Thunder por 113-112. Westbrook, que começou a temporada com duas operações no joelho, vai voltando a jogar o seu melhor e mais agressivo basquete (34 pontos, 7 assistências e 5 roubos ontem; 21,3 pontos, 5,5 assistências e 4,7 rebotes na temporada). Já são seis vitórias seguidas para o Oklahoma, que tem 11-6 na temporada (terceiro no Oeste) e venceu o San Antonio Spurs nesta semana.

Viu algum jogo na noite desta sexta-feira?


O justo título sul-americano de Brasília
Comentários 1

Fábio Balassiano

bsb1

Brasília é bicampeão da Liga Sul-Americana (2010 antes). Fez um grandíssimo jogo contra o Aguada, anfitrião, ontem à noite em Montevidéu (Uruguai), bateu os rivais por 93-81 (dominou a partida praticamente completa, tendo um lapso apenas no começo do terceiro período) e conquistou o troféu com inteira justiça. Na decisão do terceiro lugar, Bauru ganhou do Boca Juniors por 79-71.

gui1Giovannoni, que teve 21 pontos e 10 rebotes ontem à noite na decisão, (foto à direita) foi o MVP da competição, e outros três candangos saíram com 20 ou mais pontos (Arthur e o uruguaio Martin Osimani, com exatos 20, e o norte-americano Marcus Goree, com 24 + 8 rebotes em uma estupenda atuação).

Mais do que o caneco, o que fica para Brasília, que jogou sem Alex (sim, Alex Garcia, lesionado, não esteve no Uruguai) e Alírio, é a certeza que o trabalho do brilhante técnico argentino Sergio Hernandez (que, tal qual Martin Osimani, sequer foi citado no release da equipe) começa a dar certo, começa a ser compreendido.

Os brasilienses fizeram partidas muito boas desde a segunda fase (com exceção da contra o Argentinos de Junin, que foi uma tragédia), melhoraram demais a defesa, passaram a rodar melhor a bola no ataque (a entrada de Osimani melhora demais a capacidade de ler o jogo do time, isso é inegável) e entenderam que, sim, podem chutar de três pontos (como foi na semifinal diante do Boca Juniors), desde que a defesa lhes ofereça isso – e não quando o ataque teima em fazer. O aproveitamento de tiros longos, de 39,4%, fala por si só.

sergio1Não deve ser um trabalho fácil, o de Ovelha (beijado na foto à esquerda), pois é uma cultura do basquete brasileiro de anos, anos e anos. Mas o figuraça, com sua camisa aberta, relógio dourado e voz rouca (inconfundível desde os tempos de Peñarol), aos poucos tem conseguido implantar a sua filosofia de um jogo mais consciente. O primeiro resultado foi colhido. A primeira taça já veio.

Brasília, agora, mais do que nunca é favorito ao caneco de NBB e Liga das Américas. Dá pra imaginar este timaço em um Mundial de Clubes? Pois é, dá sim.

Parabéns aos jogadores brasilienses e a comissão técnica!


Brasília decide hoje Sul-Americana
Comentários Comente

Fábio Balassiano

brasilia1Dia importante para o basquete brasileiro nesta sexta-feira. A partir das 21h (Sportv), o Brasília enfrenta o anfitrião Aguarda, do Uruguai, na final da Liga Sul-Americana e pode conquistar o bicampeonato da competição (em 2010 bateu o Flamengo, no Rio de Janeiro) e o primeiro depois de dois anos de domínio argentino (2011 foi o Obras Sanitárias contra o Pinheiros e ano passado, o Regatas, de Corrientes).

Antes, às 18h30, o Bauru tenta se recuperar do mico imenso de quarta-feira, quando abriu mais de 20 pontos contra o Aguarda e mesmo assim conseguiu perder a partida (inexplicável e inconcebível). Um time com um plantel deste valor não pode simplesmente ruir mentalmente como foi na segunda etapa. Não é só tática (que decididamente precisa de ajustes), mas principalmente cabeça. Hoje os bauruenses disputam o terceiro lugar contra o Boca Juniors, batido facilmente por Brasília na própria quarta-feira. Mais do que a medalha de bronze, Guerrinha e seus comandados precisam da vitória para aumentar a confiança visando a final do Paulista contra o Paulistano nos próximos dias. Um dos times que mais investe no país, Bauru precisa de melhores resultados.

Mas, bem, voltando. No jogo de hoje teremos um excelente duelo entre dois uruguaios de respeito (ambos na foto). De um lado, Leandro Garcia-Morales, do Aguada. Do outro, Martín Osimani, craque da armação que defende Brasília. São dois grandíssimos jogadores e que foram fundamentais nas vitórias contra Bauru e Boca, respectivamente. Morales teve 29 pontos e sequer saiu de quadra. Osimani, 10 pontos, ótima defesa e seis assistências em um jogo com brilho especial de Nezinho (24 pontos).

E aí, será que Brasília vence a Liga Sul-Americana? Pelo fato de o Aguarda já estar na Liga das Américas, os candangos já garantiram, automaticamente, vaga na principal competição intercontinental das Américas.


A recuperação do Flamengo no NBB
Comentários 10

Fábio Balassiano

nicolasRodada bem quente ontem no NBB (fiz um resumão no Face e você lê clicando e curtindo aqui). Limeira manteve a invencibilidade, Goiânia superou Uberlândia fora de casa, o Pinheiros venceu a quarta positiva, o Basquete Cearense bateu o Palmeiras, o Paulistano superou Macaé no interior do Rio de Janeiro e na Gávea o Flamengo jogou muito bem para bater a Liga Sorocabana com tranquilidade. Estive lá e vamos a alguns pontos interessantes:

1) Não houve muita disputa. A disparidade técnica entre as duas equipes é absurda, altíssima, e ao final do primeiro período (29-15) já não tinha mais jogo. O Flamengo seguiu marcando forte, controlou o jogo, não forçou a barra e venceu fácil por 95-72. Superioridade técnica, física, mental e tática incontestável. Ao contrário da rodada passada, quando não jogou bem contra o Pinheiros, o rubro-negro, mesmo desfalcado, teve uma atuação segura, marcando e conduzindo bem seu ataque. O time continuará forte, podem ter certeza. Uma pena o ginásio vazio, apenas.

gege12) Difícil falar em destaque individual em uma peleja tão fácil. Gostei, mais uma vez, de ver Nicólas Laprovittola (21 pontos – na foto à esquerda) em quadra. O argentino tem uma visão de jogo diferenciada. Realmente um grandíssimo jogador. Mas hoje saí impressionado com Gegê (11 assistências – foto à direita). O armador, que anteontem esteve no Maracanã para comemorar a vitória do Flamengo no futebol, está cada vez mais seguro, confiante e conduz o seu time em quadra. Em sua terceira temporada no NBB (uma pelo Tijuca, e a segunda pelo Fla), o camisa 19 está pronto, prontíssimo. Bacana ver a evolução constante de Gegê, garoto de bem com a vida, sempre feliz, animado, cara do bem.

3) Flamengo conseguiu colocar em um jogo de NBB seus meninos da Liga de Desenvolvimento. Diego Marques (5 pontos e 10 minutos) é o reserva na ala com a contusão de Benite, Felício é uma realidade (6+6 rebotes em 22 minutos) e Léo Medeiros (excelente com 10 pontos em 14 minutos) foi muito bem. Daniel e Douglas também entraram, e no último minuto o quinteto esteve junto em quadra. Foi bacana!

neto14) No final do jogo conversei com o técnico José Neto. Ele me disse que o clube procura, sim, um reforço para o lugar de Benite, mas que não conta com isso. Trabalha com o material que tem em mãos e disse que confia muito na garotada. Neto também ressaltou a versatilidade do elenco, que pode jogar com dois armadores de ofício (Gegê e Laprovittóla), Olivinha na posição 3, Shilton na ala-pivô e outras variações. É uma das forças do elenco, sem dúvida alguma.

5) Vitor Benite estava na Gávea e conversei com ele. Obviamente o ala, que se machucou na semana passada contra o Palmeiras e perderá o restante do NBB6, estava triste com sua lesão no joelho, mas cabeça boa, pra frente. Deve operar em duas semanas. Sucesso pra ele na sua recuperação.

6) Marquinhos também estava no jogo. Joelho ainda com dores. Volta apenas para 2014. Ressonância magnética será realizada na terça-feira para maior precisão de datas.

rinaldo17) Por fim, duas notas tristes: o técnico da Liga Sorocabana, Rinaldo Rodrigues (foto à direita), foi expulso. A primeira falta técnica eu vi, entendo e não há contestação. A segunda, ninguém no ginásio entendeu. Foi até estranho. Rinaldo estava desolado no intervalo. O pior, porém, estava por vir. No começo do segundo tempo, o ala sorocabano Schneider recebeu uma falta técnica, reclamou, levou a segunda e foi excluído. Não se conformou e peitou o árbitro. Foi feio, o clima ficou quente. Nota triste da noite.

E você, viu algum jogo do NBB? Comente!


Sem Benite, Flamengo joga hoje no NBB
Comentários 9

Fábio Balassiano

vitor1Depois de ter perdido a invencibilidade na rodada passada do NBB o Flamengo entra em quadra hoje (20h30, na Gávea) para enfrentar a Liga Sorocabana pensando não apenas na vitória. O rubro-negro soube ontem que não terá mais Vitor Benite (foto à direita) para o restante desta temporada.

O exame no joelho esquerdo do ala-armador, torcido na quinta-feira passada em partida contra o Palmeiras, em São Paulo, foi realizado e constada a lesão no ligamento cruzado anterior e no menisco, conforme informou o Globo.com. Tal qual aconteceu com Marcelinho Machado no início do NBB5, o clube da Gávea perde um importante jogador logo no começo da competição.

A questão, agora, é saber como o técnico José Neto lidará com isso. O irônico de tudo isso é que ano passado perguntavam quem iria pro banco com Benite, Duda, Marcelinho e Marquinhos. Neste ano, a mesma coisa com Benite, Marcelinho e Marquinhos. Nos dois casos houve uma lesão que fez com que o treinador não precisasse quebrar tanto a cabeça assim com minutos, titularidade e rotação.

neto1De todo modo, parece-me claro que, como ocorreu com a chegada do paraguaio Zanotti no meio do NBB passado, um reforço precisará vir caso o Flamengo queira realmente continuar brigando pelo tricampeonato do principal torneio de basquete do país. A tendência é que, quando liberados de contusão e suspensão, Marquinhos e Marcelinho assumam o posto de titulares da ala, com Gegê voltando para o banco e Nicólas Laprovittola sendo o responsável sozinho pela armação.

O banco, principalmente nas posições 1 e 2, é que certamente sofrerá com a ausência de Benite. Gegê dá conta do recado, mas o bom jovem Diego Marques é certamente muito cru para ter a alcunha de comandar os reservas rubro-negros em embates importantes (contra o Pinheiros ele sentiu a pressão e errou seus nove arremessos de quadra tentados nos 21 minutos de atuação). Pelo visto, uma contratação terá que ser feita.

Este é o quebra-cabeça que Neto terá que resolver no Flamengo. Com mercado fechado, será que vale a pena contratar? Parece que sim. Mas quem? Opiniões serão bem-vindas!


LBF começa no sábado – alguém sabe?
Comentários 4

Fábio Balassiano

lbf1O assunto não é novo, e o abordei quando do começo da sexta edição do NBB no começo de novembro (reler aqui, aqui e aqui). Desta vez, o campeonato de basquete que começa quase invisível é a Liga de Basquete Feminino. O primeiro jogo do torneio será sábado (Sport-PE contra contra São José às 11h com Sportv) e pouca gente está sabendo devido a pequena divulgação.

Por isso fui conversar com Márcio Cattaruzzi (foto à direita), presidente da LBF, a respeito deste tema. Vamos ao papo com ele:

BALA NA CESTA: A LBF começa neste sábado, 30/11, e quase nenhuma grande ação de mídia foi feita. Para uma competição que precisa atrair a atenção de público e mais anunciantes, não é muito pouco?
MÁRCIO CATTARUZZI: Fizemos uma entrevista coletiva de apresentação do campeonato, 30 dias antes do começo, com ótimo comparecimento de jornalistas e excelente repercussão na imprensa. Distribuímos uma revista referente ao campeonato, com tabela, times e muitas outras informações. Além disso, veiculamos informações de todas as equipes que disputarão esta edição da LBF em nosso site e também nas redes sociais.

Marcio1BNC: Alguma coisa de comunicação diferenciada está sendo pensada para esta edição? Alguma ideia com vídeos, fotos, sei lá…
CATTARUZZI: Estamos com uma contagem regressiva nas redes sociais, apresentando jogadoras das oito equipes que poderão se destacar na competição. Postamos também um vídeo de apresentação do campeonato (que teve um número espetacular de visitas – veja aqui), além de trazer informações constantes das equipes. A ideia é seguir e até ampliar estas ações ao longo do campeonato. O merchandising das quadras foi padronizado, trazendo uma imagem mais ‘clean’ ao público e ao telespectador, bem como uma valorização das marcas presentes expostas.

BNC: Já está fechado o local e o formato do Jogo das Estrelas?
CATTARUZZI: Vai ser em 8 de março, Dia da Mulher. O planejamento está sendo feito junto com o Sportv e estamos em estudos a respeito do local. Assim que isso ocorrer, será divulgado.

BNC: No próximo ano comemoram-se 20 anos da conquista do Mundial de 1994 Feminino. Alguma homenagem está prevista?
CATTARUZZI: Sim, está prevista e já vem sendo planejada. Assim que estiver tudo definido, estaremos divulgando, já que achamos que é uma data a ser celebrada pelo basquetebol brasileiro.

marcio2BNC: Americana exibiu alguns de seus jogos pela internet no Paulista. Esta é uma demanda meio reprimida da internet brasileira que ainda quer acompanhar basquete. Haverá alguma ação ou aproximação deste público neste sentido?
CATTARUZZI: A detentora da propriedade de transmissão pela Internet dos jogos da LBF é a Globo.com. Estamos realizando várias reuniões a esse respeito, pois achamos também muito importante que ocorra a transmissão online dos jogos.

BNC: O nível técnico do basquete feminino tem piorado muito nos últimos anos (ver mais aqui). O que tem sido pensado e será colocado em prática pela LBF para esta e próximas edições?
CATTARUZZI: As últimas grandes revelações do basquete nacional jogaram os campeonatos da Liga de Basquete Feminino (LBF) e, como exemplo, cito a Isabela Ramona, que defendeu a Mangueira na primeira edição, Guarulhos na terceira e agora jogará por São José. Também temos a Vanessa “Sassá”, de Santo André. Essas jogadoras foram os grandes nomes do Brasil no Mundial Sub-19 e, certamente, estarão no selecionado adulto nos próximos anos. Tenho certeza que a presença delas nos nossos campeonatos ajudaram sobremaneira no desenvolvimento de suas carreiras. Além disso, todas as jogadoras que defendem ou defenderam a seleção nos últimos anos atuaram nas temporadas passadas e estarão em ação neste campeonato. Sem falar nas estrangeiras, que ajudam a elevar o nível da competição, o que é sempre benéfico para o basquete nacional. O número de jogadoras internacionais vem aumentando em quantidade e qualidade. Entendendo que a presença das atletas estrangeiras ajuda no desenvolvimento do basquete nacional, para este campeonato aumentamos para três, o número de jogadoras internacionais por equipe.

fotofoto1BNC: Em que pé está a Liga de Desenvolvimento Feminina? Alguma previsão de quando começará?
CATTARUZZI: Entregamos o projeto ao Ministério do Esporte e este está em processo de aprovação. Foram enviadas todas as informações necessárias. Creio que em breve já poderemos divulgar tudo sobre esta competição, que julgo ser muito importante para o futuro do nosso basquete feminino.

Tags : LBF


Brasília e Bauru na semi do Sul-Americano hoje
Comentários 3

Fábio Balassiano

oveja1Tá aí uma boa atração para a noite desta quarta-feira (se você não for torcedor de futebol de Flamengo ou Atlético Paranense, claro). Em Montevidéu, Bauru e Brasília serão os representantes brasileiros nas semifinais da Liga Sul-Americana a partir de hoje.

Mais do que o troféu da Liga Sul-Americana, que tem o seu valor evidentemente, o troféu da competição que será realizada esta semana no Uruguai coloca o campeão na Liga das Américas de 2014. Esta, por sua vez, leva o vencedor ao Mundial de Clubes recém-criado pela FIBA (disputado pelo Pinheiros e vencido pelo Olympiacos este ano, lembram?).

No primeiro jogo, às 18h45, o Brasília enfrenta o forte time do Boca Juniors sem poder contar com Alex (lesionado) e ainda sem saber se terá Arthur (recuperando-se de lesão) na primeira semifinal. Os argentinos, comandados pelo ótimo Carlos Duro (ex-assistente de Hélio Rubens, figura que entende demais de basquete), não terão o pivô Robert Battle e têm Selem Safar com dores no tornozelo. Na primeira fase as duas equipes se enfrentaram na capital federal e os brasileiros venceram por 69-61. Será um ótimo teste para Sergio Hernandez (foto à esquerda).

murilo1Na outra semifinal, às 21h, o Bauru teoricamente tem uma missão menos difícil. Enfrenta o anfitrião Aguada, time menos tradicional mas que se reforçou bem e que conta com o excelente Leandro Garcia Morales. O grupo de Guerrinha é melhor, vive boa fase no Paulista e na competição Sul-Americana e tem tudo para avançar à sua segunda final continental (foi vice da própria Sul-Americana em 1999). Precisará contar, mais do que nunca, com a força de Murilo (foto à direita) no garrafão e com a genialidade de Larry Taylor fora dele.

Será que os dois times brasileiros avançam? Apenas um? Ou nenhum? O Sportv promete transmitir as duas partidas. Comente!


Nenê bate seu recorde de pontos na NBA – veja vídeo!
Comentários 2

Fábio Balassiano

Nene1Pronto, foi. Depois de 11 temporadas na NBA, o brasileiro Nenê chegou, enfim, a marca dos 30 pontos na principal liga de basquete do planeta. Foi ontem à noite.

O pivô do Washington Wizards estava animadíssimo, anotou 19 pontos no primeiro tempo, 11 no segundo, finalizou a partida, vencida pelo seu time por 116-111, com 30 (mais cinco assistências, dois roubos e dois rebotes) e chegou a melhor marca de sua carreira. Seu recorde anterior, agora batido, era de 28 pontos em uma vitória do Denver Nuggets, seu antigo time, sobre o Utah Jazz em janeiro de 2009.

No final do jogo, quando perguntado sobre o recorde, o brasileiro saiu-se com bom humor: “Sinto-me como vinho. Quando mais velho, melhor. Sinto-me muito bem”. Foi abraçado por todos os seus companheiros, e reverenciado por Martell Webster, ala da equipe: “Todos estamos felizes pelo Nenê. Ele é um de nossos líderes, e essa marca é importante pra ele. É bom lembrar que ele tinha média de mais de 10 pontos jogando em Denver com Allen Iverson, Chauncey Billups e Carmelo Anthony. Diz muito sobre o talento dele”.

Nenê, agora, tem a média de 15,8 pontos (melhor em 11 anos de NBA), 54% no aproveitamento de arremessos (ele tenta 11,4 chutes por jogo, maior quantidade de sua carreira) e 3,3 assistências (melhor da carreira também). É peça fundamental na ascensão deste Washington Wizards (duas vitórias seguidas, 6-8 e oitavo no Leste). O brasileiro merece aplausos!

Abaixo o vídeo com seus pontos de ontem contra os Lakers!

 

Tags : NBA Nenê


Jogando muito bem, Spurs lideram Oeste
Comentários 8

Fábio Balassiano

pop1De novo. Lá estão eles, os Spurs, na liderança do Oeste. Com 13 vitórias em 14 jogos (11 consecutivas), os comandados de Gregg Popovich (foto à esquerda) já assumiram a ponta da Conferência e dividem a liderança geral com o Indiana Pacers. Poderia ser este o começo de qualquer texto sobre o San Antonio nas últimas 15 temporadas, né. Mas, bem, a receita do sucesso dos caras vocês já conhecem muito bem: Tony Parker inspirado, muita inteligência com a bola nas mãos, defesa consistente, rotação que usa o elenco INTEIRO e poupar as energias de Tim Duncan e Manu Ginóbili sempre que possível.

Para se ter uma ideia da rotação de Pop, 11 jogadores têm 12 ou mais minutos por jogo, feito que está longe de ser igualado por qualquer franquia nesta temporada (e arrisco-me a dizer que em qualquer outra também). Tony Parker, o que mais joga, não fica em quadra por 30 minutos por partida (29,9 pra ser mais exato). Os veteranos Duncan (27,3) e Manu (23,4) entendem que temporada regular é importante, mas que o fundamental mesmo é ter gás no tanque para os playoffs. Por isso o tempo de quadra é distribuído até para os recém-chegados Marco Belinelli (20,6) e Jeff Ayres (12,6).

spurs1Com fôlego e pensando cada vez mais, o time consegue correr quando precisa (12,6 pontos em contra-ataque por jogo), pontuar consistentemente (102,1), passar, como manda o figurino de Popovich, a bola com fluidez (25 passes para cesta por jogo, 0,6 assistência por arremesso convertido e 1,7 assistência por erro, ótimos números) e sabe que quanto mais de perto do aro, maior a chance de a bola cair (44% dos arremessos são dados pertinho, pertinho da cesta, e a conversão é superior a 60% como mostra a figura ao lado). Na defesa, o time tem a segunda menos vazada da NBA (90,1), a segunda melhor em % de chutes convertidos dos rivais (45,8%) e a quarta melhor em marcar bolas de três pontos dos adversários (33,3%).

Isso tudo o números dizem, isso tudo é muito fácil de ver em sites que cospem estatísticas por aí. Mas o mais bacana dos Spurs é justamente vê-los jogar (e nem falo das incríveis entrevistas de Popovich). É impressionante, realmente impressionante, pois parece que cada um dos atletas sabe exatamente o que, quando e como fazer na quadra – com ou sem a bola, no ataque ou na defesa.

trio1É uma aula de basquete coletivo a cada noite (na segunda-feira, contra o Pelicans, 13 jogadores entraram em quadra e 12 pontuaram), uma aula de como se pratica um basquete fluído, correto, sem sobressaltos e como, mesmo com todas as regras de Pop, as individualidades conseguem aparecer sem problema algum. Não sou torcedor dos caras, mas digo que dá um prazer danado assistir este Spurs jogar. Parece vídeo game, de tão certinho, e o mais sensacional é que é real – e eles fazem parecer tudo muito natural mesmo no melhor e mais difícil campeonato do planeta. Eis o grande legado de Gregg Popovich – jogar o melhor mais “certinho” do mundo independente de quem pise a quadra. E isso, obviamente, requer muito treinamento e principalmente disciplina dos atletas pra seguir os mandamentos.

Hoje às 23h o teste será contra o Oklahoma City Thunder, apontado como um dos desafiantes mais fortes do Oeste e que vem de quatro vitórias seguidas (9-3 no total). É, sem dúvida, uma ótima partida para vermos o basquete clássico, coletivo e belíssimo dos Spurs. Ninguém tem dúvida: eles vão brigar de novo pelo título da NBA.

Concorda comigo? Spurs brigarão pelo título da NBA? Ou é só fogo de palha? Comente!


Mogi e Espírito Santo, surpresas do NBB
Comentários 2

Fábio Balassiano

jb1Ainda está no começo, mas quem olha a classificação do NBB certamente se surpreende. Brasília (1-2) e Bauru (1-3), favoritos ao caneco, têm campanha negativa e na parte de cima da tabela Limeira (4-0), Espírito Santo (2-0) e Mogi (3-1) fazem bonito no campeonato. De Limeira falei aqui na semana passada, então é hora de falar dos outros dois que estão na ponta do certame.

Sobre o Espírito Santo (ex-Vila Velha), é até difícil explicar o que está acontecendo. O time por pouco não ficou de fora da competição (vítima da falta de patrocínio, que acabou pintando na última hora), montou um elenco às pressas com o que o mercado lhe proporcionava (Arnaldinho, Eddy, Rashaun, Muojeke, Gaspar, Gorauskas, Collins, Daniel Filé etc.), trouxe João Batista (foto à esquerda) para sua primeira experiência como técnico principal (ele foi assistente do Flamengo por muito tempo) e até agora não perdeu. Bateu o Minas por 68-67 na estreia e neste sábado ganhou de São José por 86-79. A tabela agora reserva quatro jogos difíceis (Limeira e Bauru fora de casa, e Macaé e Flamengo no ES), e é até provável que a vaga no playoff não venha. Mas as duas vitórias que já vieram podem acabar garantindo a franquia longe do rebaixamento (principal objetivo do time).

pacoOutro time que merece destaque é o Mogi, do exigente técnico espanhol Paco Garcia (foto à direita). Com 3 vitórias em 4 jogos (bateu Franca, Goiânia e Brasília; perdeu de Uberlândia), o time tem dois jogos em casa (Pinheiros e Palmeiras) para se consolidar na ponta da competição. Falei antes do NBB que o elenco me agradava muito, e por enquanto o modo altruísta que Paco tem tentado implantar em Mogi tem dado certo. Cinco jogadores têm 10 ou mais pontos, 8 jogam 16 ou mais minutos e domínio amplo nos rebotes com Daniel Alemão (10 por jogo). O time, que chuta apenas 22 bolas de 3 por jogo (39 de 2, quase o dobro em um campeonato viciado por bolas longas), vai aos playoffs, e com este começo pode pensar em conseguir mando de quadra e, quem sabe, uma vaga entre os quatro primeiros (bom lembrar que os mogianos venceram Brasília fora de casa neste sábado).

São as três grandes surpresas até então em um NBB muito equilibrado e com nível técnico abaixo da crítica (nenhuma novidade por aqui – falarei sobre isso nos próximos dias, podem esperar). Limeira tem um grande time e lidera, Mogi se reforçou bem (Alemão e principalmente Marcus Toledo) e o Espírito Santo quase ninguém esperava muita coisa. Todos estão indo muitíssimo bem.

Concorda comigo? Algum outro ponto surpreendente neste começo de NBB? Comente!