Bala na Cesta

Com defesa forte, Bauru ‘vira a chave’ com elenco renovado e cresce no NBB

Fábio Balassiano

Na terça-feira à noite o Sportv exibiu um ótimo Flamengo x Mogi pelo NBB. Os rubro-negros venceram um ótimo jogo por 96-87, se mantiveram na cola de Brasília e quebraram a sequência de vitórias consecutivas dos mogianos. Outro destaque atende pelo time de Bauru. Vice-campeão nas duas últimas temporadas, os comandados de Demétrius fizeram 74-64 e chegaram a 13 vitórias em 19 jogos. Nada de surpreendente então, certo? Nem tanto.

Deem uma olhadinha na montanha-russa que viveu Bauru desde o começo da temporada. O time começou sem patrocinador-máster, perdeu Ricardo Fischer, seu armador titular, para o maior rival (o Flamengo), viu Murilo sair para o Vasco, trocou um americano Ray Booker por dois brasileiros para aumentar a quantidade e qualidade do elenco quando Rio Claro acabou (Gegê e Gui Deodato) e viu Robert Day se aposentar. Já seria muita coisa, né?

Mas ainda teve mais. No final de janeiro Rafael Hettsheimeir, cestinha do time no NBB com 19,9 pontos e jogador de seleção brasileira, rescindiu o seu contrato rumo a Espanha. Naquela altura os bauruenses tinham 8 vitórias em 14 jogos, estavam no meio da tabela e tinham futuro incerto. O que aconteceria dali pra frente com um time que perderia três titulares em menos de 6 meses (Fischer, Hetts e Day), deixando o peso quase todo nas costas de Alex Garcia e Jefferson Willian?

A resposta atende por uma palavrinha mágica: defesa. É através dela que os bauruenses decidiram jogar. E estão se dando bem desde o final de janeiro. São cinco vitórias seguidas (Flamengo, Macaé, Paulistano, Liga Sorocabana e Pinheiros), e a incrível média de 63,8 pontos sofridos nestes cinco duelos. Para se ter uma ideia, a defesa menos vazada era, antes disso, a do Vitória e levava 76 pontos por partida. Com o triunfo contra o Pinheiros, o time de Demétrius passou a ser a que leva menos ponto por jogo no NBB.

Alguns fatores ajudam a explicar a melhoria defensiva de Bauru. O primeiro é o senso de urgência da equipe como um todo. Se a qualidade técnica de forma geral caiu, é elogiável a forma como o elenco passou a se conscientizar de que ''só na habilidade dos atletas'' não daria para voltar à final do NBB. Gegê, Shilton, Gui Deodato e Alex Garcia sempre foram bons marcadores, mas nomes como Leo Meindl e Jefferson Willian, que nunca foram especialistas no assunto, também têm se desdobrado para evoluir neste sentido. O esforço, portanto, é coletivo e dá resultados muito bons.

O segundo é Shilton. Criticado por muitos torcedores, ele é um exemplo de dedicação e altruísmo em quadra. Se não tem o arremesso de Hettsheimeir ou o seu poderio ofensivo para pontuar, o novo pivô titular bauruense é um dos melhores defensores de garrafão do país há algum tempo. Com a confiança por já ter atuado antes com o ótimo técnico Demétrius no Minas, Shilton comanda a marcação de seu time. Desde que passou a ser titular são 7 rebotes por jogo e 78 no +/- quando ele está em outro.

Bauru agora embarca em uma sequência de 3 jogos fora de casa (Vasco na próxima terça-feira, Caxias do Sul e Franca depois do Carnaval). Com um basquete baseado em sua forte defesa, vale ficar de olho no que os bauruenses têm feito. Conhecido por ter elenco estelar e com arremessos de três em profusão nos últimos anos, a metamorfose da equipe aconteceu durante o campeonato e tem dado resultado. É uma das histórias mais interessantes deste NBB.