Bala na Cesta

Após recusar Spurs no Draft, Scott Machado projeta carreira com o Houston Rockets na NBA

Fábio Balassiano

O dia 28 de junho foi um turbilhão de emoções para o brasileiro Scott Machado, de 22 anos. Melhor armador do circuito universitário norte-americano, ele vivia a expectativa de ser escolhido no Draft daquele dia no Madison Square Garden que ele conhecia tão bem (“já vi muito jogo do Knicks e atuei ali em meus tempos de colégio e pela Universidade de IONA também). A primeira rodada passou (“eu suava e nada acontecia”), as primeiras escolhas da segunda rodada vieram, seu nome não era chamado e a frustração aumentava.

Até que na penúltima escolha (a 59ª) o San Antonio Spurs foi conversar com seu agente, o ex-jogador Aylton Tesch. Aylton, em seguida, foi anunciar para Scott que, sim, havia um time interessado em seu basquete. Acostumado a pensar rápido, o rapaz disse: “Não quero. Vão me mandar pra Europa. Pode declinar que vamos tentar via Liga de Verão”. E assim foi feito. Os Spurs selecionaram Marcus Denmon e Scott Machado ficou esperando o telefone tocar. Não demorou muito, e naquela mesma noite o Houston Rockets perguntou se ele não gostaria de jogar a Liga. Ele aceitou, foi muito bem e logo depois assinou contrato com os texanos (rivais do Spurs, diga-se) por três anos. Sem saber com que número ele estreará na NBA (“eu quero o 4 ou o 14 – este, data de nascimento de sua mãe-, porque os outros já estão escolhidos – o 3, sem preferido, está com Omer Asik, outro recém-chegado). Na noite de ontem ele deu a sua primeira entrevista como jogador da NBA ao Bala na Cesta.

BALA NA CESTA: Onde você está no momento e como tem sido a sua rotina desde que você assinou contrato de três anos com o Rockets na semana passada?
SCOTT MACHADO: Já estou aqui em Houston treinando com quase todo o time. É uma ralação absurda, e não termina na quadra. Tem treino físico, fisioterapia, tudo. A estrutura é impressionante. E depois que os treinos acabam eu preciso procurar um apartamento pra morar. Vou ficar longe dos meus pais, mas vai valer a pena. Não há muita diferença entre o basquete universitário e o da NBA. O jogo é o mesmo, mas os talentos são diferentes e você acaba se forçando a jogar melhor. Isso é que é o mais diferente, o mais complicado. Mas, na realidade, não tem muita escolha. Quando você sai da escola para a universidade é a mesma coisa – só que na NBA os jogadores são melhores. Você acha que é diferente, mas não é tanto assim.

BNC: Poderia explicar como será a situação do seu contrato? É parcialmente garantido, certo?
SM: Sim, é parcialmente garantido, sendo que o terceiro ano é opção do time. No primeiro ano o valor total é de US$ 400 mil, no segundo, de US$ 600 mil e no terceiro, de quase US$ 1 milhão. E funciona assim a situação da garantia. Eu começo a temporada 2012-2013 recebendo a metade do valor do primeiro ano. Caso eu fique até janeiro, recebo a outra metade. A mesma mecânica se repete no segundo e terceiro anos.

BNC: E como foi a sensação de não ter sido escolhido no Draft? Imagino que a frustração tenha sido grande, mas ao mesmo tempo a alegria pelo convite do Houston foi imensa.
SM: Por incrível que pareça, não ter sido escolhido no Draft acabou sendo melhor pra mim. A intenção era a primeira rodada, e como não aconteceu, preferi que na segunda rodada eu fosse escolhido. Foi até engraçado, porque o San Antonio Spurs me queria com a escolha 59, e eu acabei recusando. Disse ao Aylton (Tesch, seu agente) que preferia tentar a sorte nas Ligas de Verão, porque sabia que os Spurs iriam me mandar jogar fora dos Estados Unidos, algo que eu não queria. Foi uma decisão rápida, na hora mesmo, e que acabou dando certo. Logo depois o Houston Rockets me chamou pra jogar.

BNC: Como foi a Liga de Verão que você atuou, e como você recebeu a notícia de que eles queriam assinar um contrato com você?
SM: Cara, foi uma sensação muito estranha, posso definir assim. Nos dois primeiros jogos com o Houston eu não estava jogando bem, estava preso, ansioso, pensava muito para fazer qualquer jogada. Meus irmãos e meus pais me ligaram, disseram para eu relaxar e comecei a atuar como estava jogando em IONA. Apareci e a oportunidade surgiu. Eu recebi a notícia na semana passada, mas até sair de nova Iorque minha ficha não tinha saído. Mas na última quinta-feira passada comecei a chorar e vi que era real, que não era um sonho. Realizei que as coisas iriam acontecer mesmo. Fiquei muito mais feliz, minha família também e agora estou de corpo e alma com os Rockets. Posso te dizer que o momento mais emocionante foi quando minha mãe avisou ao meu avô paterno, que está hospitalizado aqui nos EUA, que eu tinha conseguido atingir meu objetivo, concretizar meu sonho. Ela chorou e eu também. Sinto como se estivesse conseguindo vencer na vida.

BNC: E o que você espera da concorrência para ser o armador reserva do Jeremy Lin? Tem Toney Douglas, Shaun Livingston, Courtney Fortson e você…
SM: Vou ter que jogar muita, muita bola, conquistar meu espaço a cada dia, a cada treino. O time é jovem, todos vamos ter muitas oportunidades de mostrar o talento. O bom é isso. A equipe está sendo construída, e teremos muitas chances para aprender, evoluir como uma equipe. Eu não gosto de ficar falando dos outros, porque armador tem que se dar bem com todo mundo, tem que ser amigo de todo mundo.

BNC: Se você pudesse se definir como atleta, como seria?
SM: Sou um armador que gosta de ajudar meu time a achar o arremesso mais fácil, sou um passador que adora achar o melhor chutador na quadra. Sou um líder, um passador e amo jogar esse jogo. É minha vida. Quando era mais novo, tinha o John Starks, do Knicks, como ídolo, mas também gostava muito do John Stockton, cujo estilo é mais parecido com o meu, e do Tim Hardaway. Talvez por causa desta questão da visão de jogo eu pense em ser técnico depois que parar de jogar.

BNC: Pouca gente o conhecia até que você estourar aí na Universidade de IONA. Poderia contar um pouco mais sobre seu lado familiar, seus irmãos, tudo?
SM: Claro. Nasci aqui, pois meus pais, Solenir e Luis Mauro, vieram viver nos Estados Unidos logo que se casaram. Tenho cinco irmãos: um é médico, o outro é assistente-social, o mais novo, Juninho, joga basquete no colégio, o outro é cantor de Hip-Hop (ouça aqui a canção Sunshine, de Greg Machado, irmão de Scott) e a minha única irmã, Stephanie, quer ser modelo. Esta vai dar trabalho pra família, mas todos aqui cuidamos muito dela (risos). Como tem muito brasileiro, conseguimos manter os laços com o país. Torço pro Internacional, de Porto Alegre, e gosto de dançar e ouvir forró e samba. Minha mãe sempre tenta ensinar a gente a dançar. Gosto do Revelação, do Zeca Pagodinho, gostava do Alexandre Pires no Só pra Contrariar e curto muito Tim Maia e Raça Negra.

BNC: Por fim, uma pergunta sobre seleção brasileira. Você nasceu aí, seus laços todos estão aí, mas você diz que pensa em jogar pelo Brasil. Qual é a sua expectativa em relação aos próximos anos? Já chegou a falar com o pessoal da Confederação?
SM: Ainda não falei depois que assinei com o Houston Rockets, mas ainda não estou preocupado. Tem tempo para resolver a situação, mas quero jogar pela seleção. Já defendi o país na Universíade de 2011, e foi muito bacana. Em 2016 quero estar com o Brasil jogando a Olimpíada do Rio de Janeiro. Seria muito emocionante pra mim e pra minha família.

  1. Fora do Houston Rockets, qual o próximo passo para o armador brasileiro Scott Machado? | Bala na Cesta

    08/01/2013 00:48:08

    [...] de Scott Machado vir para o Brasil é quase nula. Europa tampouco creio que seja o caso, pois, como dito por ele mesmo aqui há algum tempo, jogar no Velho Continente não é o seu desejo desde a noite do Draft. A não ser que ele seja [...]

  2. Guilherme

    14/09/2012 23:13:46

    Como o próprio Bala disse em um comentário, o q importa não é o lugar em q ele nasceu, mas sim o amor q ele tem pela pátria. Ser não é nascer é querer e sentir.

  3. Deividy

    13/09/2012 17:11:47

    "Armador tem que se dar bem com todo mundo, tem que ser amigo de todo mundo." - Machado, ScottNa cara, Rondo!!!

  4. moisés anderson

    13/09/2012 10:26:38

    o mais legal da entrevista é ele assumir a função de armador, como o colaborador do time, e não um mascarado que marcar pontos, esquecendo das assistência. é uma lição para os armadores. parabéns.

  5. Fábio Carvalho

    12/09/2012 22:38:57

    Outra coisa: quanta maturidade em rejeitar a escolha dos Spurs e buscar um caminho mais "incerto". Mostra que visão dele não é boa só em quadra...Abs!

  6. Fábio Carvalho

    12/09/2012 22:36:48

    O Machado tem talento, muita vontade, os pés no chão e cabeça no lugar. Ou seja, seu futuro é promissor! Torço bastante por ele!Abs!

  7. Fábio Balassiano

    12/09/2012 20:44:18

    Claro que sim

  8. Diogo

    12/09/2012 20:02:29

    Será que lillard vai ser SG? acho ele muito baixinho pra isso nao. mas habilidade pra tal ele tem. no entanto, nao acho um absurdo quem possa achar Machado o melhor armador, só nao compartinho da mesma opiniao. acho um pouco de exagero. mas é um otimo jogador.

  9. bigmanrj

    12/09/2012 19:27:00

    Lembrando que o Raulzinho teve um excelente desempenho no amistoso entre Lagun Aro e Blancos de Rueda , por 89 a 65. Ele teve 18 pts e 5 assist.

  10. wagner, de curitiba

    12/09/2012 19:24:23

    Parabéns pela ótima entrevista, Bala!Espero ansioso o início da temporada para ver os novos "brazucas" desempenhando na Liga. E com a esperança de reforços para a Seleção.

  11. bigmanrj

    12/09/2012 18:37:05

    Mudando de assunto...Deixo aqui a minha singela homenagem ao mito Brian “The White Mamba" Scalabrine. Um dos maiores que as quadras da NBA já viram.http://www.youtube.com/watch?v=AnXQsJ8ung8&feature=player_embedded

  12. will13

    12/09/2012 17:54:55

    KKKKKKKKKKKKK!!! Damian Lillard é sg???? pqp... O Portland reformulou toda a equipe, principalmente na armação, pra criar espaço para o PG CHAMADO DAMIAN LILLARD... (que na minha modesta opinião vai ser o rookie of the year) e o cara vem me dizer que ele é sg... parei.

  13. Matheus

    12/09/2012 17:00:25

    http://hoopshype.com/rumors/tag/leandro_barbosa o blog ta servindo de fonte ate pra site americano!!! parabens

  14. Fábio R.

    12/09/2012 16:53:03

    Bala,vendo esses novos talentos,como o Machado e o Fab Melo, surgirem assim "do nada" vc acha que é fruto de que?? Sorte?? Pq base organizada não temos.No feminino também tem atletas promissoras e interessantes surgindo ou já acontecendo como a Damiris,Tássia,Joice,Sangalli, Ramona,entre outras.Continuo achando que o que falta ao basquete brasileiro é estrutura, organização decente e o principal: PROFISSIONALISMO,como no voleibol.Me incomoda muito quando dizem que não temos atletas talentosos.A própria seleção feminina, apesar do fiasco em Londres, poderia ter ido mais longe.Érika,Karla e Clarissa(pivô baixa,porém ótima e sempre subestimada) salvaram a pátria e jogaram no limite e mostraram seu valor.Damiris sentiu muito a estreia olímpica e teve desempenho horrível.Será que preparam a menina psicologicamente para o evento??Tenho certeza que não.Adrianinha desencantou só no último jogo e decepcionou.Gostei da Joice e acho que dá pra ela evoluir um pouco mais seu jogo.Tássia só foi pra ganhar experiência mesmo.Franciele quase não jogou.Sabe-se lá o porquê.Agora as outras jogadoras,além de limitadas foram mal preparadas.Enfim...Uma equipe mediana com talento que podia ter ido mais longe sim!!Voltando pro masculino,em Rio 2016,vc acha que tem espaço pro Fab Melo e o Machado na equipe??

  15. Fábio R.

    12/09/2012 16:24:06

    Blog Bala na Cesta também é cultura!!!!

  16. Alexandre Reis

    12/09/2012 16:12:41

    Nem irei ler os comentarios, mas mandarei direto:QUE FASE EIN !!!!!!!!!!!!!!!! PARABENS.Abs

  17. Fábio Balassiano

    12/09/2012 15:50:30

    Acho que o oj mayo ja foi contratado pra essa função...

  18. Henrique Praxedes

    12/09/2012 15:49:06

    Parabéns pela entrevista de hoje e pelas anteriores tambem... Assumo que depois de tanto tempo que fiquei procurando por noticias e informações sobre a NBA, este blog se tornou minha principal fonte, portanto muito obrigado! Fábio você acha que o leandrinho poderia ser uma boa para os Mavs???Abraços!

  19. lucas

    12/09/2012 15:46:12

    lógico que é brasileiro. e nato, não naturalizado. Se quiser pode até ser presidente da república qdo atingir a idade. Constituição Federal, art. 12. são brasileiros: I - natos (...) c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira.Parabéns pela entrevista.

  20. Fábio Balassiano

    12/09/2012 15:03:45

    Nao. Eu sugiro q você assista ao filme "O Terminal". Ser nao é nascer. É querer e sentir. E nao pra jogar em seleção... Abs!

  21. Klaus Malone (o Moses)

    12/09/2012 14:59:36

    Ele pode ser brasileiro por Jus Solis ou Jus Sanguinis. No primeiro caso é quando nasce em solo brasileiro, no segundo é quando tem mãe ou pai brasileiros. E ainda pode se naturalizar, como foi o caso do Taylor!

  22. Clóvis Rafael

    12/09/2012 14:43:20

    Mas Diogo, o Damian Lillard, não é um PG ou Armador, ele vai jogar na NBA como SG ou Ala-Armador, ok?????Para mim e para muitos estudiosos de DRaft e NBA, Scott era o melhor e mais puro armador em questão, ok?????

  23. A. Fernandes

    12/09/2012 14:24:43

    Parabéns pela entrevista, Bala, mandou bem! Vou ficar na torcida por esse garoto; pela entrevista, parece que ele é muito humilde. Sua ligação com a terrinha é muito bacana e sua vinda para NBA é excelente para ele e para nós também porque teremos um grande armador do nosso lado. Acredito que chegaremos muito fortes no próximo mundial e principalmente nas Olimpíadas. Sucesso, Scott!

  24. Sussumu

    12/09/2012 13:58:09

    Por que o cara paga impostos lá, ele não é brasileiro? Bela definição de brasileiro, a sua!Ele, que eu saiba, tem dupla cidadania, então, é sim brasileiro!

  25. Sussumu

    12/09/2012 13:55:59

    Você deve estar falando do Raulzinho.

  26. MauricioY

    12/09/2012 13:48:18

    Não sou de elogiar, mas sinto na obrigação de parabenizar pela ótima matéria/entrevista.Em relação ao jogador, gostei muito do caráter e atitude, "point guard" tem que ser assim mesmo. Aliás já nasce assim, não são coisas que se aprendem ou possam ser ensinadas. Por isso que jogadores como o Leandro Barbosa, não se adaptam à esta posição e rendem melhor jogando como "shooting guard".

  27. Danilo

    12/09/2012 13:46:11

    Me parece um cara que pensa já estar garantido na NBA. As coisas não são bem assim, ainda mais nessa posição.Sua decisão é uma faca de dois gumes. Ele foi inteligente em fugir do Spurs, já que mesmo que ficasse (improvável, com certeza era Europa mesmo) ia amargar a reserva do Parker e do Mills a temporada toda. E ao mesmo tempo foi imprudente em fugir do Spurs, já que o Houston é um time que pode dar muito certo ou muito errado, enquanto o Spurs já é cadeira cativa. Coragem ele tem. Arriscou alto. Espero que consiga se firmar.

  28. Heitor Correa

    12/09/2012 13:28:27

    Po muito legal a estrevista dele vi dois jogos dele com a EPSN e vi que era um armador nato muita visão de jogo nos dois jogos ele manteve a media que ele vinha tendo de assistencia 9.6 se não me engano, pena o time universitario dele não ser grande coisa mais com a presença dele o time de IONA ganho um bom destaque.Parabens pela entrevista !

  29. Marcão

    12/09/2012 13:18:14

    Bala pq a imprensa tem chamado ele de brasileiro? Nasceu em NY, foi alfabetizado lá, a carreira no basquete construída toda lá.......pelo que entendi ele é descendente de brasileiros, e mesmo que seja naturalizado brasileiro fica em situação identica ao do Larry Taylor, americano naturalizado brasileiro...É isso mesmo?

  30. Márcio Xavier

    12/09/2012 13:01:25

    Excelente entrevista, Bala..E é impressão minha ou o cara já tá bem mais forte - o famoso "bulking"?

  31. Rodrigo

    12/09/2012 12:43:12

    meu irmao jogou com ele um torneio copa do brasil há uns 4 anos atras!muleke bom de bola o lucas bebe!

  32. Diogo

    12/09/2012 12:23:34

    Quer saber mais que a lei, gustavo? quem te colocou no comando do brasil pra vc decidir quem é e quem não é brasileiro?

  33. Fábio Balassiano

    12/09/2012 12:20:32

    Falei sobre ele na 2a feira. Demora nba ainda...

  34. Bruno

    12/09/2012 11:38:49

    gostei da entrevista, muito boa mesmo, mostrou esse jovem e talentoso jogador brasileiro.bom saber que o país está com mais um jogador na NBA e principalmente com vontade de atuar pela seleção mesmo não nascendo no Brasil.parabéns ao blog

  35. bigmanrj

    12/09/2012 11:32:22

    Foi muito boa a netrevista. Parabéns pelo seu trabalho, deixando-nos informados sobre o mundo da bola laranja.

  36. rondon

    12/09/2012 11:23:02

    Que noticia boa, cara bom de bola, novo. E brasileiro. Muito Sucesso para o Scott! Mais uma estrela na proxima olimpiada. Por falar em novos talentos, que fim deu o Lucas Bebê, aquele pivø super alto de 18, 19 anos, ele ta cotado para jogar NBA ou ainda precisa amadurecer mais? sabe noticias?

  37. Antenor T

    12/09/2012 11:10:42

    Excelente reportagem! Foi muito além do comum e tirou informações realmente válidas. E o melhor é saber que ele pretende defender a seleção Olímpica brasileira.

  38. Lucas Reis

    12/09/2012 11:09:59

    Corajoso! Tendo a possibilidade do Spurs preferiu tentar a liga de verão... gostei!

  39. Alex Figueiredo

    12/09/2012 10:53:22

    Excelente materia. O cara parece ter a cabeça no lugar e isso é fundamental pra brilhar por la!

  40. Tom

    12/09/2012 10:45:14

    Parabéns pelo trabalho Bala! Seu blog é leitura indispensável pra quem curte basquete, não importando qual liga se acompanhe.Quanto ao Scott, pelo que da pra ver na entrevista, tem um futuro promissor. Espero que consiga minutos nessa temporada e evolua cada vez mais. Seleção Brasileira agradece.

  41. Ailton Gomes Faion

    12/09/2012 10:37:28

    Bala, muito legal a entrevista. É bom conhecermos esses talentos que potencialmente poderiam vir usar a Amarelinha! Tem tambem aquele garoto do Minas Tênis Clube que foi para Espanha, esqueci o nome dele...

  42. Mauricio Weiss

    12/09/2012 10:22:35

    Parabéns por essa sequencia de entrevistas e furos Bala, show de bola! Mantendo o Blog fervendo mesmo sem jogos.

  43. Gustavo

    12/09/2012 10:17:59

    O cara nasceu nos EUA e paga impostos lá. Ou seja, não é brasileiro. Mania de querer dizer que qualquer carinha que tenha um pezinho no Brasil é brasileiro. Eita desespero!

  44. Diogo

    12/09/2012 10:06:33

    Meus parabens pela entrevista. Duas otimas entrevistas em seguida deixa o leitor mal acostumado!hehehe. gosto muito de Scott e acho que tem bola para, com o tempo, pegar a titularidade de algum time na NBA. só acho um pouquinho de exagero chamar ele de melhor armador do circuito universitario... foi o melhor em assistencias. na minha humilde opiniao, o melhor era Damian Lillard, que, inclusive, foi colocado por muitos como melhor jogador das ligas de verao.

  45. Alexandro

    12/09/2012 10:04:40

    Muita boa a entrevista! A mentalidade do rapaz parece ser muito boa, daí percebe-se a diferença na educação, além da familiar que tem papel fundamental na formação do ser humano, dada nos EUA, principalmente no que se refere a mentalidade!

  46. Hendrik Isecke

    12/09/2012 09:59:45

    Um dos melhores blogs de basquete em terras tupiniquins. Parabéns!

  47. HUGO GOMES

    12/09/2012 09:57:21

    Vi isso! Já faz algum tempo que queria sugerir um post sobre o panorama de nossos jovens talentos internacionais. Os meninos estão pipocando dentro e fora do país, mas tem necessariamente se lançado no mercado estrangeiro para garantir que não caiam na falta de formação da nossa estrutura. Estamos vivendo no basquete um movimento similar ao do futebol? Abraço.P.S.: Tá arrebentando nas matérias.

  48. Marcio Alvarez

    12/09/2012 09:54:23

    Boa Bala....MAis uma entrevista bem legal.....PARABENS

  49. Digobh

    12/09/2012 09:45:02

    Fala, Bala!!!!!!!!!!!!!!!!Leio sempre o seu blog para ficar atualizado sobre o basquete. Acho muito bacana o trabalho que você tem feito aqui. Espero que Escot Machado arrebente mesmo na NBA. Bala fugindo do assunto, nos fale mais a respeito do time feminino do SPORT, Parece que ta montando um super time.

  50. Antonio

    12/09/2012 09:42:44

    Estive em Nova Iorque e conheci o pai do Scott, o Sr. Mauro. Gene boníssima e muito atencioso. Falou que o filho logo logo iria aparecer e aí está. Parabéns Mauro! Abraço do Brasil.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso