Bala na Cesta

Cuidadosa, diretora Hortência faz balanço de seu trabalho na Confederação

Fábio Balassiano

Da diretora espalhafatosa que chegou na CBB para assumir o basquete feminino brasileiro resta muito pouco. Hortência Marcari está mais cuidadosa com as palavras, tem medido o que fala e parece ter se acostumado melhor ao cargo que exerce. Mas uma coisa ainda está lá: a sua paixão pela modalidade. Em papo aberto em Americana, a Rainha conversou com o blog sobre o seu trabalho na Confederação Brasileira.

BALA NA CESTA: Muita gente reclamou da falta de amistosos de peso da seleção brasileira para este Pré-Olímpico. O que de fato aconteceu?
HORTÊNCIA: Tivemos problemas terríveis para marcar amistosos. Os Estados Unidos estão com a WNBA em andamento, os times da Europa já jogaram o Pré-Olímpico e Canadá e Argentina não quiseram marcar amistosos contra a gente. Ficou complicado. Mas jogamos contra Cuba, fizemos jogos-treinos bacanas e estamos preparadas para a conquista da vaga olímpica. O time vai ganhar ritmo durante a competição, tenho certeza disso.

BNC: Muita gente, inclusive eu, cobrava a contratação de um técnico de renome para comandar a seleção feminina. Como você enxerga isso, e como você avalia o trabalho do Ênio até aqui?
HM: Concordo e respeito essa análise (de um técnico de renome), mas isso foi tentado. Infelizmente ainda não foi a hora, mas houve conversas – que não evoluíram (nota do editor: Tom Maher, técnico australiano, foi sondado pela Confederação). Estamos satisfeitos com o Ênio, com quem ficaremos até o final das Olimpíadas de Londres, em 2012. Até lá ele fica exclusivamente conosco. Depois disso faremos uma análise mais apurada do trabalho dele.

BNC: No hall do hotel, quando conversamos rapidamente, você disse que não convocaria Nenê e Leandrinho para a seleção masculina que vai às Olimpíadas. O mesmo raciocínio não se aplica ao caso da Iziane?
HM: Não, não se aplica. São coisas completamente diferentes. E te digo o porquê: os rapazes estão aí, um de férias e o outro já treinando em seu novo clube. A Iziane tem contrato com seu time na WNBA, a melhor liga do mundo, e pode não ficar no Atlanta na próxima temporada. Ficaria complicado para ela pedir para sair assim. Entendo a posição da atleta, de verdade. O que acho, sinceramente, é que o basquete brasileiro passa por um momento tão difícil que precisa de união e de pessoas dispostas a comprar um projeto de mudança que está tentando ser implantado há quase dois anos. Precisamos de mais do que atletas. Precisamos de pessoas comprometidas com a melhora e o desenvolvimento da modalidade.

BNC: Eu noto que um dos seus grandes focos de trabalho na CBB é na base. O que está projetado para o próximo ano? Teremos novamente uma seleção permanente?
HM: Uma, não. Teremos três, se os nossos projetos forem aprovados pelo Ministério do Esporte. Teremos a Sub-17, que disputará o Mundial na Holanda, a Sub-18, que se prepara para o Mundial de 2013, e também uma Sub-20 ou Sub-21. E penso nesta última seleção porque as meninas precisam ganhar experiência, vivência de quadra. Não pode uma menina chegar numa seleção adulta com 25, 26 anos e ter feito dez, 15 jogos internacionais. Você olha pro vôlei e vê uma menina de 22 anos com mais de 100 partidas internacionais de alto nível. Você acha que isso não pesa na hora da decisão? Pesa, e pesa muito. Por isso temos tentado acelerar o processo de amadurecimento dessas meninas, e as seleções de desenvolvimento vão nos ajudar muito nisso.

BNC: Você não teme que a relação da Confederação com os clubes fique cada vez mais complicada? Cito, para você, o exemplo de uma atleta de Americana que sei que você gosta muito, a Izabella Sangalli. Ela esteve com a seleção permanente Sub-19 neste ano, estará com a Sub-17 em 2012 e provavelmente com a Sub-18 em 2013 também. Como fica a situação de Americana, que formou a jogadora e a terá apenas em parte do ano?
HM: Sua pergunta é boa e pertinente, mas a minha relação com os clubes é ótima. Eu pego a jogadora e devolvo a atleta com uma série de treinamentos no exterior, jogos de alto nível, tudo. Só acho que os campeonatos regionais e seus respectivos calendários precisam se ajustar para que ninguém seja sacrificado.

BNC: Em uma de suas seleções de desenvolvimento você teve a Damiris e a Tássia, que foram muito bem no Mundial Sub19 (medalha de bronze no Chile). Elas são os pilares dessa renovação que você pensa para a seleção feminina?
HM: Sim, mas não são só eles. Você citou duas jogadoras, mas temos outras. A Izabella, que você citou, por exemplo, é outra que olhamos com um carinho imenso, e é com este argumento de renovação que falamos para o Ministério dos Esportes nos auxiliar. Estas poderão ser as meninas que farão o Brasil brilhar em 2016, não? Acho que o trabalho tem sido feito, e bato de novo na tecla: essas jovens precisam jogar, jogar e jogar. Quando fomos campeãs mundiais, Paula, Janeth e eu já tínhamos passado por muita coisa – e a Janeth não tinha 26 anos. Também não sou louca de achar que só treino resolve, né. A minha ideia é chegar em 2016 com um número maior de jogadoras com experiência boa em termos internacionais.

BNC: Você acha, então, que o processo das seleções de desenvolvimento é irreversível?
HM: Não, não é. Quando os clubes voltarem a ter um papel um papel destaque, de retomada de investimentos, de competições organizadas, as seleções obviamente perderão força. Mas hoje, querendo ou não, todo mundo fala da conquistar olímpica dos rapazes, da conquista do bronze pela seleção Sub19. Aqui no Brasil, cara, esporte só se sustenta com resultados internacionais fortes das seleções. E é isso que estamos buscando. Eu não tenho problema com os clubes. Nenhum mesmo.

  1. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    27/09/2011 11:04:55

    Agora sim de Pleno Acordo. rsrs Pois não quis dizer de pleno acordo que a Hortência está indo bem quando respondi o Claudio Von Randon, quis dizer que concordo em não levar a Iziane. Mas a Hortência está passando pela primeira boa fase dela como dirigente. Mas aí fico na dúvida o que é mesmo melhor para a seleção feminina de basquete. Pois se a seleção brasileira ir bem nas Olimpíadas de Londres ( contando que já tem vaga) vamos continuar com a Hortência até as Olimpíadas do Rio de Janeiro, e aí eu fico preocupado. Então consigo enxergar até um ponto positivo caso esta fase boa fase da Hortência não continuar, que é um outro dirigente para o feminino mais respaldado administrativamente.

  2. Ana Clara

    26/09/2011 19:39:14

    Interessante ela estar se utiizando dos projetos do ministério dos esportes para alavancar as categorias de base do Brasil... é uma possibilidade que deve ser aproveitada!

  3. Fábio Balassiano

    26/09/2011 16:18:53

    fala, fernando.ela cuida da seleções, né.mas concordo que ela deveria mirar mais os clubessem dúvidaabs

  4. Fernando I

    26/09/2011 15:49:40

    Bala so uma nota, quando vc fala que ela tem preocupação com a base, refere-se so a seleção? Eu gostaria de saber qual a preocupação dela com a base do basquete em si, pois estas meninas chegam em suas seleções muitas vezes a quem do que se espera tecnico/tatica e fisicamente (não no mesmo patamar que os garotos, pois no caso deles chegam realmente pior trabalhados), eu queria saber o que sera feito para se diminuir esta diferença de nivel entre clubes e seleção.

  5. Patrícia

    26/09/2011 14:08:45

    Hortência realmente amadureceu bastante mas precisa amadurecer um pouco mais, alias é assim em tudo na vida. Parabéns Hortencia pelo projeto da seleção de desenvolvimento sub 17, 18 e 21.

  6. CHARLES

    26/09/2011 13:11:18

    FINALMENTE,DEPOIS DE TRES ANOS SÓ FALANDO E FAZENDO BOBAGENS,FALOU COM ALGUMA COERENCIA,MAS AINDA O CAMINHO PARA A CREDIBILIDADE AINDA TEM ALGUNS KM A PERCORRER!OU JÁ NOS ESQUECEMOS: MÉTODO HORTENCIA-UTILIZANDO -SE DO CARGO DE DIRETORA PARA VENDER DVDS E PALESTRAS ENTREVISTA NA REVISTA DA ESPN-¨TREPADINHAS ANTES DE JOGOS¨ DISPENSA DO BASSUL,PARA CONVOCAR A IZIANE CONTRATAÇÃO DE UM TÉCNICO ESPANHOL TÉCNICO MASCULINO PARA SELEÇÃO FEMININA JÁ DETERMINAR A JANETE,COMO A TÉCNICA DA SELEÇÃO ADULTA,SEM O MÍNIMO DE EXPERIENCIA E AINDA UMA COMPETENCIA DUVIDOSA SELEÇÃO PERMANENTE,É BOM LEMBRAR QUE O BASSUL JÁ COMADOU UMA SUB19,QUE FOI PERMANENTE,SEM TODO ESTE ALARDE,ISTO EM 2001. COMO DIZIA MEU AVÔ¨NEM TUDO QUE RELUZ É OURO E NEM TUDO QUE BRILHA É PRATA ¨

  7. Jose

    26/09/2011 12:50:04

    Concordo contigo Marcia. A Iziane no Mundial-2006 no jogo contra a Australia no ultimo quarto de tempo, quando o Brasil mais precisava dela, ela sumiu do jogo, errava muito, e agora fala que não é jogadora de poucos minutos. Acho que ela viu que o barco(diga-se de passagem a partida) estava afundando, se recusou a entrar, isso mostrou a falta de consideração com o treinador e com suas proprias companheiras de time. De resto acho ela uma boa jogadora.

  8. Marco

    26/09/2011 12:49:53

    O caso da Iziane é completamente diferente de Nenê e Leandrinho.Iziane é contratada do Atlanta e está disputando o playoff da WNBA nesse momento, mas ela já disse que para o Pan estará à disposição.Nenê e Leandrinho estão de férias e mesmo sem nenhum compromisso inventaram desculpas esfarrapadas para pedir dispensa da seleção masculina.Nada a ver uma situação e outra.

  9. Fabio Carvalho

    26/09/2011 12:49:20

    Eu concordo que a situação da Iziane é diferente. O Nenê e o Leandrinho estão de férias e não quiseram defender a seleção. Não seria medo de se expor a um novo fracasso? A seleção precisa de jogador que queira dar seu sangue independente do resultado.Infelizmente ela pensa em manter o Enio Vechhi até Londres. Acho que deveria ser tentado algum técnico de peso para Londres. Assim como trouxeram o Magnano. Novo fiasco a vista em Londres. Ta certo, fizemos bons jogos contra Cuba. Mas esta seleção ja não "assusta" no cenario mundial.

  10. Bruno

    26/09/2011 12:46:24

    Acho que os clubes não tem o que reclamar quanto a ceder atletas para a seleção de desenvolvimento, pois na categoria adulta as atletas mais novas mal entram em quadra. A CBB vai fazer o trabalho de intercâmbio que precisa ser feito para termos mais jogadoras com nível internacional e isso vai ser bom para a seleção adulta e também para os clubes, pois teremos mais atletas de qualidade à disposição no futuro.

  11. Marcia

    26/09/2011 12:15:10

    Também acho que a questão da Iziane não é não ter vindo agora. É a ridícula atitude de se recusar a entrar em quadra, desrespeitar o treinador, se achar acima dele e de todos e por aí vai. Isso não é postura de atleta comprometida (a não ser com ela mesma). E ela teve várias oportunidades de pedir desculpas, de dizer que estava de cabeça quente, de dizer que estava arrependida, e não o fez. Ao contrário. Repetiu aos repórteres que não era jogadora para aqueles minutos em quadra (de cabeça fria). Essa menina não merece vestir a camisa do Brasil. Vai ganhar dinheiro lá fora, que é só o que ela quer, e deixa a seleção pra quem quer representar seu país. Tá cheio de gente babando pra estar lá.

  12. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    26/09/2011 12:06:09

    Apesar da Iziane ter a seu favor o fato de ter que jogar a fase final da WNBA, penso que ela não devia ser convocada por outros motivos (p.e.: não ser estrela e achar que é). Mas discordo do argumento do caso de Iziane ser comparada a Nenê. Isso não tem cabimento. Gostaria de saber quando foi a última cesta que o Nenê fez pelo Brasil. Alguém sabe quando?

  13. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    26/09/2011 12:02:51

    Pleno acordo!

  14. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    26/09/2011 12:00:10

    Desta vez a Iziane é isenta de culpa. Mas eu penso que a Iziane é muito problemática e não tem trazido frutos para seleção Brasileira, putz no mundial ela errou demais e para uma atleta ser responsável pela demissão de um técnico, ela tinha que ser Iziane Jordan, e está longe de ser. Então eu penso que como a Iziane já apresentou vários problemas e como ela não pode estar presente no Pré-olímpico, acho que já está na hora dela aposentar e não ir para as Olimpíadas.

  15. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    26/09/2011 11:54:51

    O Shammel é um grande jogador, mas na posição dele a seleção Brasileira de Basquete está bem servida e não precisa dele.

  16. Régis Marlo - Campo Grande - MS

    26/09/2011 11:53:46

    Olá Renato São Gonçalo!Éh! Parece que a Hortência está aprendendo. Mas espero não vê-la como presidente da CBB.

  17. bomber

    26/09/2011 11:28:45

    Não dá para levar Larry e Shammel juntos, é regra FIBA, apenas um naturalizado por país, não?

  18. bomber

    26/09/2011 11:27:24

    Pimenta no olho dos outros é refresco né? Convoca a Iziane e não o Nene? ahahahaha, engraçado que quando o calo é nosso é diferente... e incrível como a maioria do povo que vivo de basquete ou para o basquete é desinformado. Situação do Nene apesar de não ser idêntica à da Iziane, tem tantos ou até mais méritos de ausência.

  19. Fábio Balassiano

    26/09/2011 11:23:32

    isso sim!

  20. Màrcio Df

    26/09/2011 11:18:32

    Nessa não, concordo contigo. Mas a atitude dela da outra vez é comparável ou pior ao que a Hortência julga que que o Nenê tenha feito (ou deixado de fazer) agora.abs!ps.: tem uma entrevista do Huertas no site do www.sport.es , seção basket.

  21. CLAUDIO VON RANDOW

    26/09/2011 11:05:37

    A HORTENCIA ESTÁ INDO BEM COMO COMANDANTE DO BASQUETE FEMININO.AGORA A TORCIDA BRASILEIRA ESPERA QUE ELA BARRE A IZIANE, CASO O FEMININO VENÇA O PRÉ-OLIMPICO. O BRASIL NÃO PRECISA DESSA ALOPRADA DA IZIANE. PRECISAMOS DE JOGADORAS QUE QUEIRAM REALMENTE JOGAR NA SELEÇÃO.

  22. Fábio Balassiano

    26/09/2011 11:00:32

    também achei que ela evoluiu muito de um ano pra cá.me surpreendeu.abs!

  23. Wanilson

    26/09/2011 10:55:07

    Muito boa a sua entrevista. Foi a primeira que vi a hortência dar uma entrevista consciente, ponderada. Fico feliz em saber do projeto dela pra as seleções de base. Isso mostra que estamos evoluindo, e ela também vai evoluindo como dirigente. E parabéns pelo Blog.

  24. Siul

    26/09/2011 10:43:40

    Gostei da entrevista pois , agora, nota-se uma visão mais completa do processo.Mas faltou uma resposta ( e que penso ser um grande problema). Por que temos que entregar nossas grandes revelações em mãos de times espanhóis que , de um modo geral, não melhoraram os fundamentos desses jogadores , ao contrario, usam-lhes como operários para seus ganhos capitais. Soube que a nossa fenômeno Damiris está em negocia;cão para a Espanha. Será que não podemos contornar isso? Quando lembro o que está acontecendo com a Franciele........ A Espanha nunca esteve melhor que o Brasil em basquete feminino a não ser quando o técnico brasileiro foi um espanhol. A sub dezenove venceu das espanholas convincentemente. Acho que nos subestimamos muito..........

  25. Fábio Balassiano

    26/09/2011 10:42:58

    Márcio, você tem uma dose de razão, mas achei que a resposta dela tava boa.E, de fato, são 2 casos completamente diferentes. acho que a iziane não pode ser culpada nessa, de verdade.abs, fábio.

  26. Fábio Balassiano

    26/09/2011 10:41:01

    tem chance

  27. Màrcio Df

    26/09/2011 09:53:01

    Bala, parabéns pela entrevista, ótima como sempre.Só acho que poderia ter insistido mais na comparação Iziane x Nenê e Leandrinho, pq a atitude dela que deveria ter sido levada em conta é aquela de não querer entrar em quadra pelo Brasil, não essa de agora.. Pelo conhecimento que vc tem, acho que essa foi sua intenção, então também não entendi porque não insistiu, já que a hortência entendeu que era a respeito dela não ter vindo agora.abraços

  28. Flavio

    26/09/2011 09:45:48

    A melhor notícia dessa entrevista é o projeto de termos uma seleção permanente sub-21, pois depois que as atletas saem do sub-19 elas ficam ou no banco de seus clubes ou disputando série A-2, algumas até param de jogar por falta de oportunidade. Esse é o problema mais grave do basquete feminino atualmente: a transição da base para a categoria adulta.Afinal, de que adianta fazer um excelente trabalho de base e não dar continuidade quando as meninas completam 19 anos?

  29. f

    26/09/2011 08:02:50

    Hortência não se esqueceu de tomar nenhum remédio hoje. Pela primeira vez ela deu uma entrevista em que diz coisa com coisa.

  30. americo luiz

    26/09/2011 06:20:47

    oi fabio sou um amante do basquete e estou muito feliz com a sua recuperação,estava pensando e fiz uma lista para a seleção masculina em londres, ai vai ela.Marcelinho huertas, larry taylor,leandrinho,shammel,marquinhos,alex,guilherme,marcelinho machado,nênê,tiago spliter,anderson varejão e rafhael. E ai fabio eu acho que esse elenco tem chance de pódio em londres e você, espero resposta.

  31. Renato (São Gonçalo)

    26/09/2011 01:31:46

    Olá Fábio É realmente a Hortência mudou bastante seus discursos desde que assumiu esse cargo, e acho sinceramente que ela vai ter muito sucesso, e já é nítido a mudança tb no desenvolvimento do basquete feminino principalmente na base que parece muito claro ser "a menina dos olhos", e desejo de coração que ela consiga colocar o basquete brasileiro no patamar de onde ele nunca deveria ter saído, agora espero que ela consiga realizar o "milagre" da mudança de mentalidade dos "tais" dirigentes da Confederação Brasileira, pois se isso acontecer precisaremos criar uma imagem "da santa Hortência".......Muita sorte rainha do basquete mundial, vc merece tudo de bom......Ah o melhor seria HORTÊNCIA PRESIDENTE DA CBB!!!!!!!!!

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso